Redes Sociais

Notícias falsas, memes e salazarismo. O WhatsApp dos coletes amarelos em Portugal

Notícias falsas, memes e salazarismo. O WhatsApp dos coletes amarelos em Portugal

O movimento até nasceu no Facebook, num grupo que já leva mais de 40 mil seguidores. Mas é no WhatsApp que se fazem os preparativos para o protesto dos coletes amarelos, que pretende bloquear as estradas portuguesas no dia 21 de dezembro. Por lá reinam informações falsas, revolta e até algum saudosismo salazarista.

O JN acompanhou as movimentações dos grupos que pretendem replicar em Portugal o movimento que varreu França nos últimos fins de semana. Há grupos de vários pontos do país. Do Porto, Lisboa, Algarve, Alverca e um que quer bloquear os acessos à Ponte 25 de abril. São quase mil pessoas que publicam mensagens durante todo o dia e madrugada dentro.

Convites na base do passa a palavra

"Pessoal, este grupo é para quem for de Gaia entrar. Serve para combinarmos umas coisas para fazer", diz um dos utilizadores do grupo "Revolta Nacional Porto 2". A plataforma até pode ser digital, mas é na base do "passa a palavra" que os seguidores do movimento chegam a estes grupos. Basta ter um número de telefone e ser utilizador do WhatsApp.

Ao contrário dos criadores da página de Facebook que originaram o movimento e que, ao JN, confirmaram que se conheciam antes do grupo, grande parte dos participantes destas pequenas comunidades não se conhecem, sendo que o protesto que pretende replicar em Portugal o que aconteceu em França é o principal ponto em comum. "Estamos juntos pela mesma causa", diz um dos utilizadores do grupo do Algarve. Ponto comum em todas as mensagens é a revolta contra a classe política.

Notícias e cartazes são fogo para o discurso

Não existe uma voz de liderança e não é fácil compreender quem criou os grupos. A conversa flui a uma velocidade alucinante. Em apenas 10 minutos são publicadas mais de 50 mensagens. "Vamos lá povo, nem que seja num guardanapo. Siga colocar mensagens na cidade", escreveu um utilizador, lançado um entre milhares de apelos para que a manifestação aconteça.

As frases de ordem são semelhantes às de sempre e podem chegar em clips de áudio: "Bom dia povo unido";"Pela primeira vez com 53 anos fico feliz e até orgulhosa de ver o povo a acordar"; "Ataque ao Governo, apenas e só, para melhoria dos portugueses".

A grande diferença nesta plataforma digital é a quantidade de imagens partilhadas e a velocidade com que circulam. Chegam depois a outras plataformas, como o Twitter, o Facebook e o Instagram, aumentando o alcance. Há até posters a lembrar Donald Trump. "Chega de gozar com o povo. Vamos fazer Portugal grande novamente", pode ler-se numa das várias propostas para slogan.

"Não é extrema-direita. É extrema necessidade", vê-se numa imagem em que aparece a bandeira de Portugal, numa clara tentativa dos membros do grupo se defenderem das conotações feitas nos últimos dias com a extrema-direita, apesar de circularem algumas imagens e vídeos a lembrar o 24 de Abril.

Algumas das imagens servem para demonstrar o que já foi feito. Cartazes para serem mostrados na rua, coletes pendurados em janelas e até grafitos em pontes e em casas, com a mensagem "Dia 21 todos para a rua" ou "Acorda Portugal"

Além deste tipo de imagens há muitos prints com notícias sobre a situação económica do país. "Novo Banco com prejuízos de quase 1,4 milhões". A notícia da SIC Notícias é uma das mais partilhadas no grupo do Algarve, mas há mais. "Espanha anuncia aumento do salário mínimo para 900 euros", é o título de uma notícia do JN partilhada no grupo e que gera revolta. "Vi agora o aumento salário em Espanha e revolta qualquer português", escreve um dos utilizadores.

Memes e informação pouco credível

Mas também há informação pouco credível, as chamadas "fake news" e memes, que misturam mensagens políticas com humor, facilitando a partilha, sem que se questione se o que lá está escrito é verdadeiro. "Os franceses, que têm um ordenado mínimo de 1400 euros, foram para a rua protestar", é apenas uma das informações falsas partilhas.

O salário mínimo líquido naquele país é de 1174 euros, segundo explica a ministra do trabalho num tweet publicado um dia antes do anúncio de aumento de 100 euros, que Macron fez na segunda-feira.

Reivindicações e violência na base da discórdia

Apesar do objetivo comum há pontos de discórdia nos vários grupos. O principal tem a ver com as reivindicações. Há quem defenda que as exigências devem ser contidas e há outros que querem mais. "Se pedirem 800 eles nunca vão dar 800. Temos de pedir 1000 porque vão negociar", refere um dos utilizadores a propósito do salário mínimo. "Não exageramos porque já vamos discutir a baixa de impostos e a carga fiscal. Tenham calma para não parecemos absurdos nas exigências", adverte uma utilizadora.

A violência é outro dos pontos que gera divisões no interior das comunidades. "Manifestação sem violência. Violência gera violência", pede um dos participantes. Mas a opinião não é consensual. "Eu vou sem querer violência mas se vir a coisa mal parada para o meu lado não vou ficar olhar pra ninguém", responde uma das utilizadoras.

WhatsApp facilita conversação

O WhatsApp tem suplantado o Facebook na forma como os movimentos de protesto se organizam. Foi assim no Brasil, durante a campanha para as últimas eleições, e parece ser a plataforma preferida pelo movimento dos coletes amarelos em Portugal.

"Esta ferramenta permite o imediatismo de contacto no um-um e um-todos e o maior caráter de personalização ", explica, ao JN, Inês Amaral, professora da Universidade de Coimbra. "É mais próximo das pessoas e permite a sensação de uma receção individualizada. Tem vantagens neste sentido da proximidade e do individualismo", acrescenta.

"O WhatsApp é uma ferramenta encriptada, que permite que a informação circula de forma rápida, fácil e segura", diz Sérgio Denicolli, especialista em redes sociais e pós-doutorado em Comunicação, que acompanhou de perto os movimentos nas redes sociais no Brasil durante a campanha para as presidenciais. "Trata-se de uma rede que não pode ser rateada e permite a troca de mensagens com muita eficácia", conclui.