Nacional

País está a ser levado para o declínio social, acusa Passos

País está a ser levado para o declínio social, acusa Passos

O líder do PSD acusou o Governo de levar o país para o "declínio social, económico e político".

"O taticismo e a manipulação intelectual que o Governo tem vindo a fazer estão a ir longe demais e estão a deixar sequelas, estes seis meses foram um tempo de deterioração das condições democráticas da nossa vida política", afirmou o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, numa conferência de imprensa na sede do partido, em Lisboa, a propósito dos seis meses de mandato do Governo, que se assinalam na quinta-feira.

Considerando que "ambiente qualitativo da democracia política tem vindo a degradar-se", Passos Coelho traçou um cenário 'negro' e disse que, ao ter escolhido este caminho, o executivo socialista liderado por António Costa "optou conscientemente por uma linha de retrocesso democrático que está a conduzir Portugal para o declínio social e económico e também para o declínio político".

Na declaração que proferiu antes das perguntas dos jornalistas, o líder do PSD recordou os dados "negativos" que têm sido revelados nos últimos meses e que mostram a queda dos indicadores de confiança e dos indicadores de atividade económica.

"Os resultados objetivos desta governação são esclarecedores e constituem, para os portugueses, um motivo de justa preocupação para o futuro", disse, lamentando a inversão de praticamente todos os indicadores relevantes do progresso que o país foi registando desde a recuperação económica de 2014.

Falando na queda do investimento, na interrupção do "ciclo virtuoso" iniciado pelas exportações há vários anos, Passos Coelho anteviu um resultado de crescimento económico do conjunto do ano "claramente abaixo" do registado o ano passado, "com tudo o que isto implica para as metas de criação de emprego e de melhoria de desempenho orçamental que são necessárias".

Além disso, acrescentou, o saldo externo começou a deteriorar-se, a perceção externa sobre o que se passa em Portugal alterou-se radicalmente, penalizando as condições de financiamento do Estado.

"Em conclusão, os resultados negativos que se observam não permitem ilusões", sublinhou.

Além da análise negativa aos seis meses do Governo, Passos Coelho retomou as críticas à "linha de retrocesso democrático" seguida, classificando as reversões efetuadas ou em curso, nomeadamente na TAP, na educação, na saúde, na reforma do IRC, entre outras, como "um desastre".

Por outro lado, continuou, nestes seis meses assistiu-se também à "deterioração das condições democráticas" da vida política, onde "o diálogo não é mais do que uma fachada" para "um Governo que capitula perante todas e quaisquer exigências das forças sindicais".

"Com a bandeira do diálogo e da concertação numa mão, o Governo usou a outra para calar os críticos e mascarar a realidade", disse, falando igualmente num executivo "refém dos seus próprios acordos" com os partidos que sustentam o executivo no parlamento.

"Enquanto isso, o interesse nacional fica por defender, porque o que tem importado ao Governo é assegurar a sobrevivência desta solução governativa", acrescentou, sublinhando a forma como "arrogantemente" o Governo rejeita quaisquer críticas e foge às perguntas.

"Hoje no parlamento não há nenhuma discussão de política", mas apenas um "enumerado de rótulos, de máximas", quando "não raras vezes se recorre ao insulto direto", acrescentou.