Nacional

Passos Coelho: "Não pode ter querido dizer aquilo que disse"

Passos Coelho: "Não pode ter querido dizer aquilo que disse"

O ex-candidato à liderança do PSD Pedro Passos Coelho considerou esta terça-feira que a presidente do partido, Manuela Ferreira Leite, "corrigirá com certeza as suas afirmações" sobre a democracia porque "não pode ter querido dizer aquilo que disse".

Manuela Ferreira Leite defendeu que, em democracia, não é possível fazer reformas contra as classes profissionais, demarcando-se da atitude do Governo no que respeita à reforma do sistema de justiça.

 "Quando não se está em democracia é outra conversa, eu digo como é que é e faz-se", observou a presidente do PSD, acrescentando: "E até não sei se a certa altura não é bom haver seis meses sem democracia, mete-se tudo na ordem e depois então venha a democracia".

 Num comentário a estas declarações, Pedro Passos Coelhos considerou que "todos temos dias melhores e dias piores e hoje não foi certamente um dia em que a dra. Ferreira Leite tenha estado bem até porque há matérias em que um candidato a primeiro-ministro não pode deixar dúvidas nem ironizar".

 "Tenho a certeza que a dra. Ferreira Leite não deixará de corrigir com rapidez o que não pode ter querido dizer", acrescentou o ex-candidato à liderança do PSD, que foi derrotado por Manuela Ferreira Leite nas directas de 31 de Maio. 

 Segundo Pedro Passos Coelho, a presidente do PSD "não pode ter querido dizer aquilo que disse".

 "Objectivamente não acredito que a dra. Ferreira Leite tenha querido dizer que o país precisa da experiência da não democracia para as coisas serem endireitadas. Este de facto não foi um dia em que a dra. Ferreira Leite tenha estado com acerto", reforçou.

 De acordo com Passos Coelho "a dra. Ferreira Leite corrigirá com certeza essas afirmações".

 "Não contem comigo para estar a castigar publicamente a presidente do PSD, do meu partido", salientou.