Ambiente

Plástico contamina 95% do Mar Mediterrâneo

Plástico contamina 95% do Mar Mediterrâneo

O plástico representa 95% dos resíduos que flutuam no Mar Mediterrâneo, que alcançam "níveis recordes de contaminação" na maior parte dos países, sobretudo em Turquia e Espanha, indica um estudo da World Wide Fund for Nature (WWF).

A propósito do Dia Mundial dos Oceanos, a Organização Não Governamental chama a atenção para a poluição no Mediterrâneo e pede às instituições, empresas e cidadãos que se comprometam com a luta contra a contaminação marinha.

Segundo o relatório, os turistas de um conjunto de países onde se inclui a Turquia, Espanha, Itália, Egito e França, provocam um aumento da poluição marinha em cerca de 40% em cada verão.

Em Portugal, "os microplásticos predominam nas areias das praias, representando 72% do lixo encontrado em zonas industriais e de estuários", salienta um comunicado divulgado pela organização em Lisboa.

O Mar Mediterrâneo está, segundo a WWF, a converter-se numa perigosa lixeira, com níveis recorde de contaminação de microplásticos que ameaçam várias espécies marinhas e a saúde dos seres humanos quando estes produtos entram na cadeia alimentar.

As Nações Unidas lembram que 80% da poluição dos oceanos é proveniente das pessoas.

Na sua página oficial, a ONU lembra também que oito milhões de toneladas de plástico acabam nos oceanos em cada ano, prejudicando a vida selvagem, mas igualmente a pesca ou o turismo.

E acrescenta que a poluição por plásticos custa a vida a um milhão de aves marinhas e a 100 mil mamíferos, também em cada ano.

E é também em cada ano que o plástico causa oito mil milhões de dólares (6,8 mil milhões de euros) de danos nos ecossistemas marinhos.