Saúde

Urgência pediátrica do hospital de Portimão fechada até segunda-feira

Urgência pediátrica do hospital de Portimão fechada até segunda-feira

Se está de férias na zona do Barlavento algarvio, e tem crianças a seu cargo, então tome especial atenção, porque até segunda-feira a Urgência de Portimão não vai funcionar e qualquer problema obrigará a uma deslocação a Faro, a 60 quilómetros, ou a 80 de Lagos, por exemplo. Agravam-se as carências de médicos numa região, que nesta altura do ano vê a sua população triplicar.

A Urgência Pediátrica do Hospital de Portimão vai estar fechada a partir das 17 horas desta sexta-feira e até à próxima segunda-feira, por falta de especialistas disponíveis, o que tem aliás originado sucessivos encerramentos da maternidade daquela unidade.

O anúncio do encerramento da Urgência Pediátrica do Hospital de Portimão foi feito em comunicado enviado a diversos serviços pela administração do Centro Hospitalar e Universitário do Algarve (CHUA).

No documento a que o JN teve acesso, lê-se que todas as situações que justifiquem internamento devem ser encaminhadas para Faro e que em Portimão, "os doentes com indicação de alta clínica devem ter concluído o seu processo até final da manhã".

João Dias, secretário regional do Sindicato Independente dos Médicos (SIM) confirmou ao JN o fecho durante todo este fim de semana da Urgência Pediátrica de Portimão. "Já não é só a questão das grávidas. Depois da neonatologia, a falta de pediatras atinge agora a própria urgência", salienta o responsável, classificando a situação como "inadmissível".

"Enquanto não se tomem medidas estruturais para se fixar médicos, a falta de pediatras e outros especialistas vai acentuar-se", refere o representante do SIM, considerando que as políticas atuais de saúde "promovem o abandono das carreiras médicas e o recurso a contratados".

"Os resultados no Algarve estão à vista. Esta situação não tem sustentabilidade. Os médicos mais velhos vão saindo e não são obrigados a fazer urgência e os mais novos não têm incentivos para se fixarem e acabam por sair e ir para os privados", justifica João Dias.

Também a estrutura local do PSD já reagiu a este encerramento, num comunicado intitulado "Saúde no Algarve não é para crianças", que fizeram chegar às redações.

"Esta é uma desproteção dos bebés e das crianças, a qual, como temos sublinhado, se tornou no novo normal, com episódios sucessivos e intermináveis que deixam de rastos a confiança das famílias no SNS e violam o acesso à saúde", consideram os social-democratas

No documento, o PSD Algarve classifica de "decisão absurda" a não abertura de vagas para estas especialidades no Algarve, "num concurso que o Governo concebeu para responder às maiores carências que detetou no país. Na obstetrícia, foram abertas 12 vagas nenhuma para o Algarve. Na pediatria cinco, nenhuma para o Algarve", lê.-se no documento.

A ministra da Saúde, Marta Temido, efetua esta sexta-feira em visita aos dois hospitais do CHUA, tendo estado de manhã em Portimão e estará à tarde em Faro.

O JN está a tentar obter uma reação por parte da Administração Regional de Saúde (ARS) ao encerramento da Urgência Pediátrica no Barlavento, mas até ao momento ainda não foi possível.