Enfermeiros

Presidente do Sindepor em greve de fome quer falar com Marcelo

Presidente do Sindepor em greve de fome quer falar com Marcelo

O presidente do Sindicato Democrático dos Enfermeiros, que está em greve de fome desde quarta-feira, disse que gostava de ser recebido pelo presidente da República para justificar a indignação da classe que representa.

"O que pretendo é dizer ao senhor presidente quem são realmente os enfermeiros, o que é que eles sentem, que dificuldades é que tem e porque é que estão tão indignados, porque é que eles sofrem tanto e porque é que precisam da minha ajuda", disse à agência Lusa Carlos Ramalho, que se encontra desde as 12.30 horas de quarta-feira em frente ao palácio de Belém, onde diz que estará em greve de fome até que sejam retomadas as negociações com o Governo.

O presidente do Sindepor confessou que "ficaria muito satisfeito" se o encontro acontecesse, uma vez que o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, é "uma pessoa sensível com um caráter humano muito forte e muito desperto para as questões sociais".

Questionado sobre o anúncio do enfermeiro Duarte Gil Barbosa, do hospital de São João do Porto também iniciar uma greve de fome na sexta feira frente à Assembleia da República, Carlos Ramalho disse não o conhecer, mas saudou a sua atitude.

"Não o conheço, mas quero saudá-lo pela sua coragem, sei o que ele sente, o que ele pensou e o que é que vai pensar à medida que o tempo for passando", disse o dirigente sindical.

Sobre como foram as primeiras 24 horas, Carlos Ramalho desabafou que não foi agradável, mas que é uma luta que tem de se fazer em nome dos enfermeiros.

"Agradável obviamente não foi, mas eu estou muito empenhado em manter a minha determinação e estou e continuar a representar os enfermeiros naquilo que prometi que era defendê-los até as últimas consequências", sublinhou.

Carlos Ramalho contou que o carro tem sido o seu local de abrigo e que ajuda os polícias a fazer a ronda. "Um bocadinho de humor também ajuda", ironizou.

Durante este tempo, recebeu um e-mail do chefe do gabinete do presidente da República a informar que estava disponível para o receber e que tinha à sua disposição corpo clínico da presidência para o caso de necessitar.

Imobusiness