PSD

Primeiro debate entre Santana Lopes e Rui Rio na quinta-feira

Primeiro debate entre Santana Lopes e Rui Rio na quinta-feira

O primeiro frente a frente entre os dois candidatos à liderança do PSD, Rui Rio e Pedro Santana Lopes, vai realizar-se na quinta-feira, na RTP, a pouco mais de uma semana das eleições diretas de 13 de janeiro.

Depois de várias trocas de argumentos entre as candidaturas, o primeiro debate está marcado para as 21 horas, na estação pública, será moderado pelo jornalista Vítor Gonçalves e vai ter a duração de 70 minutos.

No dia 10, à noite, terá lugar o segundo e último frente-a-frente televisivo, na TVI, e no dia 11, de manhã, um debate radiofónico, organizado pela Antena 1 e pela TSF.

A polémica sobre os debates começou logo na apresentação da candidatura de Pedro Santana Lopes, a 22 de outubro, quando o antigo primeiro-ministro propôs que as estruturas distritais e regionais realizassem debates, o que, no limite, poderia resultar em 21 frente-a-frente.

A proposta foi imediatamente rejeitada por Rui Rio, defendendo que a campanha não deveria "ser transformada num espetáculo ambulante pelo país fora".

Mais tarde, Santana enviou uma carta a Rio sobre os debates a e as duas candidaturas dialogaram durante algumas semanas para encontrar uma "solução consensual".

A 13 de dezembro, Rui Rio considerou o "assunto encerrado" com a aceitação de dois debates televisivos, um na RTP e outro na TVI. Santana Lopes criticou a exclusão da SIC e reafirmou a sua disponibilidade para um debate em cada um dos três canais generalistas, mas apenas viria a ser acertado mais um debate entre ambos, mas na rádio.

Os dois candidatos já formalizaram a candidatura à liderança do PSD e ambos entregaram as respetivas moções de estratégia global com vista às eleições diretas de 13 de janeiro e ao Congresso, que se realiza entre 16 e 18 de fevereiro em Lisboa.

Há oito anos, nas últimas diretas em que houve disputa, na altura, entre quatro candidatos, realizaram-se três frente-a-frente (entre Passos Coelho e Paulo Rangel, entre Rangel e Aguiar-Branco e entre este e Passos) e um debate com os quatro candidatos, incluindo Castanheira Barros.

Nesse debate a quatro, Passos Coelho defendeu a demissão do então Procurador-Geral da República, Pinto Monteiro, e, a par de Paulo Rangel, o voto contra o Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) do Governo PS de José Sócrates, que viria a ser votado dias depois no parlamento, ainda antes das eleições internas. No entanto, a ainda líder Ferreira Leite optou pela abstenção.

O Governo de José Sócrates viria a cair cerca de um ano depois, precisamente na sequência de um chumbo da quarta versão do PEC, com os votos contra do PSD já liderado por Passos Coelho.

ver mais vídeos