Educação

Professores vão explicar greve a pais e turistas

Professores vão explicar greve a pais e turistas

A Federação Nacional de Educação (FNE) vai distribuir panfletos em português, castelhano, inglês e francês para explicar a pais, estudantes, portugueses e turistas, os motivos que levam a nova greve de professores entre 1 e 4 de outubro.

O secretário-geral da FNE defende que a contestação dos professores tem sido alvo de "mentiras" que têm vingado na opinião pública: "é mentira que os professores estejam a pedir privilégios, a reclamar o pagamento de retroativos ou que não estão disponíveis para dialogar".

Na próxima semana, que será de protesto, a Federação vai distribuir uma carta aos encarregados de educação e um texto em português, castelhano, francês e inglês. O objetivo, explica a FNE em comunicado, é o de esclarecer a "situação vivida pelos professores no país", explicando "as razões" que levam a nova greve.

Esta sexta-feira sindicatos e Ministério da Educação voltam a reunir-se. Em cima da mesa o projeto de decreto-lei do Governo de recuperação de dois anos, nove meses e 18 dias dos mais de nove anos de tempo de serviço congelado. A proposta prevê que esse tempo seja contado aos professores que progridam de escalão a partir de 1 de janeiro de 2019.

Os sindicatos vão apresentar uma contraproposta de recuperação integral dos nove anos, quatro meses e dois dias de tempo congelado de forma faseada. E a possível conversão desse tempo para efeitos de antecipação da aposentação.

Para João Dias da Silva a proposta do Governo "é ilegal" por desrespeitar a lei de Orçamento do Estado para 2018 que prevê a negociação do prazo e modo de recuperação do tempo congelado.

Na próxima semana, entre 1 e 4 de outubro as duas federações (FNE e Fenprof) e oito sindicatos que integram a plataforma convocaram greves regionais, apesar de o pré-aviso permitir aos professores fazerem greve nos quatro dias independentemente da região. A paralisação arranca nas escolas de Lisboa, prossegue no Alentejo e Algarve; dia 3, será na região Centro e depois no Norte do país. Para o dia mundial do professor (5 de outubro) está agendada uma manifestação nacional, em Lisboa.

ver mais vídeos