Parlamento

PS e PSD trocam acusações nas declarações de voto ao relatório da Caixa

PS e PSD trocam acusações nas declarações de voto ao relatório da Caixa

O PS diz que o PSD "tentou subverter a linha séria" do relatório da comissão de inquérito à Caixa, tendo os sociais-democratas acusado os socialistas de "branquear" práticas "incorretas", de acordo com as declarações de voto divulgadas esta quinta-feira.

Nas declarações que acompanham a votação do relatório final da segunda comissão parlamentar de inquérito à recapitalização e gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD), a que a Lusa teve acesso, os dois partidos com mais deputados no parlamento trocaram acusações.

Para o PSD, o PS "procurou diluir responsabilidades ou, mesmo, branquear certas práticas incorretas" nas suas propostas de alteração ao relatório.

O grupo parlamentar social-democrata afirma que, "ao contrário do Partido Socialista (...), o PSD não pretendeu alterar a estrutura do relatório, nem o desvirtuar, mas tão somente, pôr preto no branco 'verdades'" que "devem ser explicitadas".

O PSD lamenta ainda que "o ponto relativo à gestão danosa tenha dividido a comissão, com um empate na votação que teve como consequência a sua rejeição".

Já o PS diz que as propostas de alteração do PSD "procuraram apenas alijar as suas próprias responsabilidades e afirmar a tese, sem suporte factual, de que só os governos dos outros são responsáveis".

"Nas conclusões que votou e nas propostas que apresentou, o PS assume as responsabilidades dos governos socialistas, dos administradores por estes nomeados e do supervisor presidido por um seu militante [Vítor Constâncio, ex-governador do Banco de Portugal e ex-líder socialista] nos factos apurados, na medida em que foram efetivamente apurados pela comissão de inquérito", pode ler-se na declaração de voto socialista.

Por este motivo, afirmam os socialistas, "ninguém pode duvidar" do "comprometimento com a exposição da verdade" por parte do PS.

Os deputados aprovaram por unanimidade o relatório da comissão às 21:20 de quarta-feira, depois de quase oito horas de debate e votações, incluindo duas horas à porta fechada.

Esta foi a primeira comissão parlamentar à banca em que o relatório final foi aprovado por unanimidade.

As principais conclusões da II Comissão de Inquérito à Recapitalização e Gestão da CGD cerram fileiras contra o Banco de Portugal, que falhou na supervisão, criticam a gestão do banco, que não foi sã nem prudente, a administração de Santos Ferreira, a falta de atenção de sucessivas tutelas e a responsabilidade política do Governo de José Sócrates no "período mais crítico de 2005-2008".

Referem ainda que, na comissão, entre os depoentes, houve um grupo de poder que se encobriu, usando estratagemas como concertação de narrativas e falta de memória para encobrir más práticas de crédito.

O relatório final vai ser discutido esta sexta-feira a partir das 09:00 na Assembleia da República, tendo cada grupo parlamentar cinco minutos para intervir em plenário.