reacções

PS fala em "cultura autoritária" e Governo pede explicações

PS fala em "cultura autoritária" e Governo pede explicações

A sugestão de Manuela Ferreira Leite no sentido de suspender temporariamente a democracia para implementar reformas revela "uma cultura autoritária e ausência de cultura cívica". A acusação é do presidente do Grupo Parlamentar do PS, Alberto Martins, que manifestou o "repúdio veemente" dos socialistas perante as palavras "anti-democráticas" da líder social-democrata.

"A democracia não pode ter intervalos de seis meses. O contrário da democracia é a ditadura - e só quem não sabe o que foi a ditadura pode admitir intervalos lúcidos para a democracia", disse.

O ministro dos Assuntos Parlamentares exortou a presidente do PSD a esclarecer rapidamente a sua ideia de suspender a democracia por seis meses, alegando que existem "fundadas dúvidas" sobre o que pensa do regime democrático. Santos Silva considera as declarações em causa como sendo "gravíssimas".

Luís Filipe Menezes (PSD) disse que Sá Carneiro "deve dar voltas no túmulo" por ver o partido que fundou defender que a democracia devia ser suspensa. "O PSD deve escolher rapidamente uma nova direcção". Passos Coelho considerou que a presidente "corrigirá com certeza as suas afirmações".

O líder parlamentar do PCP, Bernardino Soares, rotulou de "infelizes e despropositadas" as declarações numa altura em que "direitos, liberdades garantias" estão a ser alvo de ataques

Paulo Portas, líder do CDS-PP, afirmou não estar ao alcance da presidente do PSD "suspender a democracia", mas sustentou que está ao alcance da social-democrata suspender o pacto de Justiça assinado com o PS.