CNE

Rio admite queixa se Governo continuar a inaugurar em "campanha pelo PS"

Rio admite queixa se Governo continuar a inaugurar em "campanha pelo PS"

O líder do PSD afirmou que o partido vai "agir", admitindo uma queixa à Comissão Nacional de Eleições (CNE), caso o Governo continue a "fazer campanha" pelo PS.

"Se [o primeiro-ministro, António Costa] não travar [o uso de cargos governamentais para fazer campanha pelo PS], se continuar a inaugurar duas e três vezes alguma coisa, naturalmente teremos de agir", afirmou Rui Rio no Porto, após ter sido questionado pelos jornalistas sobre a possibilidade de apresentar uma queixa à CNE contra o Governo, como fez o CDS-PP na sexta-feira.

Rio, que falava à margem da inauguração do primeiro cartaz do cabeça-de-lista do PSD às eleições europeias, observou que "a censura que neste momento já existe sobre o comportamento do governo, notoriamente em campanha eleitoral para as europeias, vai levar o primeiro-ministro a travar [essa ação]".

PSD tem "especialista na Europa" e PS "ministro que nada fez"

O líder do PSD afirmou este domingo que apresenta às eleições europeias uma lista encabeçada por "um político influente e experiente na Europa", enquanto o PS "arranca com um ministro que pouco ou nada fez".

"A diferença é enorme [entre a lista do PSD e a do PS]. Na nossa lista temos, à cabeça, Paulo Rangel, alguém que é um político influente na Europa. É vice-presidente do maior partido europeu, o PPE, e logo a seguir na lista temos a jovem que é líder da juventude desse PPE", destacou Rio após descerrar, junto à Avenida da Boavista, no Porto, o primeiro cartaz de Rangel para as eleições de maio.

Rio adiantou que o PSD terá, "a seu tempo", o programa para as europeias e que este "está na cabeça daqueles que são já experientes na Europa, a começar por Paulo Rangel", aproveitando a ocasião para criticar o PS por arrancar, "à cabeça, com um ministro [Pedro Marques, que deixou o Governo para se candidatar às europeias] que pouco ou nada fez".

"O pouco que [Pedro Marques] fez foi, sabendo que ia ser candidato, desatar a prometer o que não conseguiu fazer enquanto ministro", observou Rio. O líder social-democrata respondeu desta forma aos jornalistas quando questionado sobre se concordava com Paulo Rangel quando este afirmou que a lista do PS era "um reservatório de ex-ministros".

"Basta fazer a comparação entre a lógica que presidiu à composição da nossa lista e a do PS. São completamente diferentes", vincou o líder social-democrata. Quanto às críticas feitas pelo PS ao facto de o PSD não ter um programa, Rio lembrou que "a pré-campanha está a começar". "Ter programa antes da pré-campanha é um bocado difícil. Evidentemente, vamos ter programa, mas não pomos o carro à frente dos bois", vincou.

Imobusiness