Europeias

Santos Silva diz que os adversários facilitaram a vida ao PS

Santos Silva diz que os adversários facilitaram a vida ao PS

O ministro dos Negócios Estrangeiros afirmou, este sábado, que os adversários políticos às eleições europeias "facilitaram muito a vida" ao PS porque escolheram para cabeças-de-lista "caras do passado".

"Os nossos adversários eleitorais facilitaram-nos muito a vida, não é que foram escolher para cabeças-de-lista para as próximas eleições europeias exatamente os mesmos de há cinco anos atrás. Como é que é possível ser portador do futuro com as caras do passado?", questionou Augusto Santos Silva no seu discurso sobre "A Europa e o Futuro", na Convenção Europeia do PS, em Vila Nova de Gaia, no Porto.

"E como é possível ser portador do futuro com caras à esquerda que duvidavam e duvidam da construção europeia que, umas vezes mais explicitamente, outras vezes mais implicitamente sugeriam que o único caminho era sair da zona euro e abandonar a moeda única", perguntou ainda.

"Queriam que nós decidíssemos unilateralmente a restruturação da dívida e deixássemos de cumprir os compromissos. Estão sempre contra qualquer avanço na construção europeia, até no pilar europeu dos direitos sociais tiveram dúvidas", frisou.

O ministro perguntou como é possível Portugal deixar o seu futuro na Europa e o futuro da Europa com Portugal nas mãos das caras que representam a forças que, ainda hoje, duvidam e contestam o projeto europeu.

O governante adiantou ainda que os portugueses não podem entregar a bandeira do futuro "às mesmíssimas caras" que fizeram seu o hino 'ir além da "troika", referindo-se ao PSD e CDS-PP.

"Foram aqueles responsáveis, falo do PSD e CDS-PP, quer os que ainda lá estão, quer os que saíram para formar novos partidos", vincou.

Augusto Santos Silva adiantou que "eles são todos as caras do passado" e "responsáveis pelos maiores ataques" aos diretos sociais que a democracia portuguesa algum dia conheceu.

Apelando ao voto, o ministro dos Negócios Estrangeiros ressalvou que o "futuro está no PS e nos seus candidatos".

Na sua opinião, o futuro da Europa e da União Europeia "deve alguma coisa" à experiência do Governo do PS que mostrou ser possível cumprir todos os compromissos.