Óbito

Velório de Ruben de Carvalho na Câmara de Lisboa, com Marcelo e Trovante

Velório de Ruben de Carvalho na Câmara de Lisboa, com Marcelo e Trovante

Centenas de pessoas, do presidente da República aos Trovante, prestaram este sábado, nos Paços do Concelho, em Lisboa, homenagem ao histórico comunista Ruben de Carvalho, que morreu na terça-feira, aos 74 anos.

O presidente Marcelo Rebelo de Sousa recordou "o legado" que deixa, de "cultura, de democracia, de liberdade, de tolerância, de abertura, de capacidade para se dar aos outros e para compreender e ouvir os outros, e, nesse sentido, fazendo um Portugal melhor".

O velório do ex-vereador da Câmara de Lisboa começou cerca das 17.30 horas, sucedendo-se militantes e dirigentes comunistas, líderes de outros partidos, como Catarina Martins, do BE, o ministro-adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, a título pessoal, mas também os três músicos fundadores dos Trovante - Luís Represas, João Gil e Manuel Faria.

O funeral realiza-se no domingo à tarde no cemitério do Alto de São João, em Lisboa, e caberá ao secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, fazer a evocação do ex-deputado e organizador da Festa do Avante!, desde a sua primeira edição, em 1976.

Ruben de Carvalho era responsável na Câmara Municipal de Lisboa pelo Roteiro do Antifascismo e membro do Comité Central do PCP.

Jornalista de profissão, Ruben de Carvalho foi também chefe de redação do semanário "Avante!", órgão central do PCP, entre abril de 1974 e 1995, chefe de redação da revista "Vida Mundial" e redator coordenador do jornal "O Século".

Foi membro das "comissões juvenis de apoio" à candidatura do general Humberto Delgado, chefe de gabinete do ministro Sem Pasta, Francisco Pereira de Moura, no I Governo Provisório após o 25 de Abril de 1974, deputado à Assembleia da República eleito pelo distrito de Setúbal e vereador na Câmara Municipal de Lisboa.

Tinha 74 anos e era o único membro no atual Comité Central do PCP que tinha estado preso nas cadeias da PIDE durante o Estado Novo.