Congresso CDS

João Almeida muda "dois terços" dos dirigentes e nega ser "mais do mesmo"

João Almeida muda "dois terços" dos dirigentes e nega ser "mais do mesmo"

João Almeida, atual porta voz do CDS-PP, recusou ser "mais do mesmo" do mandato de Assunção Cristas e prometeu mudanças no caso de ser eleito presidente do partido. "Seremos renovação. Se ganhar, dois terços de todos os órgãos terão caras novas", afirmou. Antes, o adversário Abel Matos Santos criticou os "velhos presidentes" que querem voltar.

O deputado eleito por Aveiro negou ser o candidato das derrotas, dando os exemplos dos resultados de 2009, 2011 e 2015 obtidos pelo partido para o desmentir.

"E 2019?", questionou numa alusão às suas responsabilidades nos maus resultados das últimas eleições. "Como porta -voz ou deputado, em que momento comprometi o partido?", perguntou ao congresso.

Almeida disse ainda já ter um nome, que não revelou, para a presidência da República no caso do CDS decidir ter um candidato próprio.

Imediatamente antes Abel Matos Santos, outro dos candidatos, não poupou críticas à liderança de Assunção Cristas."Não podemos continuar a enfiar a cabeça na areia, precisamos de coragem para a mudança, que começa aqui", afirmou. Defendeu um CDS conservador, "porque conservador é mudar o que está mal e manter o que está bem" e perto das bases, "de Viana do Castelo a Faro". Disse ainda não querer um partido de "ilegalidades" e mostrou-se contra "velhos presidentes que querem voltar".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG