Saiba o que muda

Chegou o dia 1 da libertação em Portugal

Chegou o dia 1 da libertação em Portugal

Menos restrições, mas com bom senso. Foi desta forma que António Costa, primeiro-ministro, apresentou na quinta-feira o novo plano de desconfinamento do país, agora dividido em três fases, consoante a percentagem de população vacinada. Há novos horários, medidas uniformizadas e uma luz ao fundo do túnel para as discotecas. Os bares, afinal, abrem já este domingo.

Chegados a mais um dia de reunião de Conselho de Ministros, tudo apontava para o anúncio de medidas menos restritivas. E foi o que aconteceu. O Governo ouviu os recados dos especialistas, na reunião no Infarmed, na passada terça-feira, e uniformizou o cenário das restrições em todo o país.

Já fazia "pouco sentido essa diferenciação em função dos municípios", avança o primeiro-ministro, até porque a vacinação avança, a variante delta é predominante e há uma "grande mobilidade" devido ao período de férias.

"É o momento de podermos passar a gerir a pandemia de acordo com a taxa de vacinação", frisou o chefe de Governo, enquadrando assim um plano de alívio adaptado à situação vacinal do país.

Assim, a partir de 1 de agosto, domingo, o comércio, a restauração e os espetáculos culturais em todo o país voltam aos horários pré-pandemia. O limite de funcionamento será as 2 horas. O mesmo deverá ser aplicado em eventos familiares, como batizados e casamentos. "Quanto mais tempo, as pessoas passam juntas, mais se infetam", justifica Costa. O recolher obrigatório também vai terminar no próximo mês.

PUB

Quanto ao certificado digital, este será de "utilização massiva" mesmo a desconfinar gradualmente e com a previsão de 57% da população totalmente vacinada. Para os que ainda não estão imunizados, será necessário apresentar um teste negativo à covid-19.

Além da apresentação obrigatória dos documentos no interior dos restaurantes ao fim de semana e todos os dias nos hotéis, que já vigorava, o leque alarga-se aos ginásios com aulas em grupo, às termas e spas, aos eventos com mais de mil pessoas (ar livre) ou de 500 pessoas (em ambiente fechado) e às festas familiares (batizados e casamentos) com mais de dez pessoas.

As modalidades desportivas voltam a receber adeptos: já tinha sido confirmada, na passada terça-feira, a presença de público no final da Supertaça entre Sporting e Sporting de Braga, no próximo sábado. A Direção-Geral da Saúde (DGS) será responsável por definir as regras para estas iniciativas. No caso dos espetáculos culturais, a lotação permitida será de 66%. A percentagem desce para os 50%, quando se trata de casamentos e batizados.

O Governo autoriza em agosto os equipamentos de diversão, como os carrosséis, mas deixa do lado dos municípios a definição do local. Já o teletrabalho passa de obrigatório a recomendado, sempre que as atividades o permitam.

Durante o mês de agosto, as festas e as romarias estão proibidas. As discotecas continuam encerrados, mas o cenário pode mudar em outubro para este setor. E, ao contrário do que tinha sido inicialmente avançado pelo Governo, os bares abrem já este domingo, com as mesmas regras aplicadas aos restaurantes.

No início de setembro, o uso de máscara deixará de ser obrigatório na via pública. António Costa realça que deve imperar o bom senso: "se estamos sozinhos na rua, não precisamos de usar máscara; se estamos num grande ajuntamento, é evidente que temos de usar máscara".

Também neste mês, e com a previsão de 70% da população com a vacinação completa, deixará de haver limite de pessoas nos transportes públicos. Nos espetáculos culturais e nos casamentos e batizados, a lotação permitida sobe até aos 75%. Já o atendimento nos serviços públicos deixa de exigir a marcação prévia.

Se tudo correr bem, chegamos a outubro com 85% dos residentes em Portugal imunizados com as duas doses, o que significa mais "liberdade" e menos restrições.

Pela primeira vez desde que começou a pandemia, as discotecas têm finalmente uma data concreta em vista Os estabelecimentos de diversão noturna poderão reabrir, sendo necessária a apresentação de um certificado digital ou de teste negativo para entrar.

Os restaurantes deixam de ter limitações quanto às refeições em grupo e ditos "ajuntamentos" podem acontecer, sempre com prudência.

Em relação à aposta em três níveis de desconfinamento e não em quatro - como sugeriram os peritos - António Costa defendeu que "a efetividade da vacinação demonstrou que, hoje, podemos ter maior retoma da atividade sem que isso represente um risco acrescido".

Além disso, confirmou que a DGS ainda está a completar a recomendação sobre a vacinação dos jovens dos 12 aos 16 anos e pediu paciência face às questões que ainda não têm resposta, nomeadamente a necessidade de uma eventual terceira dose de vacina. "Para nós este vírus dura há uma eternidade, mas para a ciência é extremamente recente", concluiu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG