Debate

Líder da IL quer abrir tudo à gestão privada, líder do PSD insiste no Estado

Líder da IL quer abrir tudo à gestão privada, líder do PSD insiste no Estado

João Cotrim Figueiredo quer abrir tudo à gestão privada e dar total liberdade de escolha aos cidadãos. Rui Rio pretende manter algum Estado e prefere contratualizar serviços públicos. A diferença entre social-democracia e liberalismo ficou bem vincada no debate desta segunda-feira na SIC entre dois líderes partidários que, apesar das divergências, assumem a vontade de se unirem para derrubar o socialismo.

"Quer a IL quer o CDS são parceiros com que o PSD facilmente se entende", disse Rio Rio, embora admita que depois surjam "divergências": "Neste momento, temos tanto socialismo em cima de nós, tanto Estado, que a convergência não é difícil. Mas, mais para a frente, iríamos divergir. Nós queremos algum Estado".

Alternativa ao PS

A diferença ideológica estava marcada, assim, logo no início do debate na SIC.​​​​​​​

João Cotrim Figueiredo assumiu que o liberalismo pressupõe absoluta liberdade de escolha entre serviços públicos e privados, com os custos a serem suportados pelo Estado. Mas, apesar disso, está disponível para um acordo com o PSD, em nome de um objetivo em comum aos dois partidos. "Estou disponível para construir uma alternativa a este socialismo que nos desgoverna e para garantir que um voto dado ao Rui não vá parar ao Costa", afirmou.

Para garantir que a IL será necessária para se construir uma alternativa pós-eleitoral, Cotrim Figueiredo acusou Rui Rio de "falta de coragem e até de rasgo". "Numa sociedade como a portuguesa, a posição do PSD pode conduzir a uma espécie de alternância mas não a uma alternativa verdadeira", vincou. Ao que Rio respondeu: "Esperemos que um voto na IL não ponha António Costa primeiro-ministro".

Exemplos de divergências entre os dois partidos são também as políticas fiscais e as privatizações. PSD dá prioridade à baixa do IRC, a IL à do IRS. Rui Rio admite empresas como a Caixa Geral de Depósitos e a Lusa como públicas. Cotrim Figueiredo não.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG