Nacional

Líderes europeus aprovaram medidas contra crise da dívida

Líderes europeus aprovaram medidas contra crise da dívida

Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia aprovaram esta quinta-feira à noite um pacote de medidas preparado durante meses para colocar um ponto final na crise da dívida na região, anunciou o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy. As medidas serão apresentadas nesta sexta-feira.

Este pacote aprovado no primeiro dia da cimeira da UE inclui a criação de um fundo permanente para socorrer países falidos e uma reforma limitada do Tratado incluir este fundo.

Os líderes da UE também se comprometeram a aprovar até Junho a reforma do fundo de resgate temporário, em vigor até 2013, de modo que possa emprestar até aos 440 mil milhões de euros decididos no âmbito da sua criação.

Dentro do pacote de medidas encontra-se, também, o Pacto para o Euro exigido pela Alemanha, a que se juntaram vários países fora da zona euro: Dinamarca, Polónia, Bulgária, Roménia, Lituania e Letónia.

Fontes diplomáticas citadas pela agência EFE referiram que a apresentação de compromissos concretos por parte dos países, no interior deste Pacto pelo Euro, se efectuará na sexta-feira, pelo facto de a agenda do dia se ter atrasado devido a uma prolongada discussão sobre a situação em Portugal.

"Todas estas medidas são uma chave para o futuro", assegurou o presidente do Conselho Europeu, Van Rompuy, em conferência de Imprensa.

"Algumas pessoas receiam que este trabalho signifique um desmantelamento do bem-estar social e a protecção social. Mas não. Como disse durante o almoço, é para que sejam garantidos. O que estamos a fazer é garantir que as nossas economias sejam suficientemente competitivas para criar empregos e manter o nível de vida dos nossos cidadãos", acrescentou Rompuy.

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, considerou estas medidas como "uma verdadeira revolução".

"Hoje chegamos a uma verdadeira revolução", afirmou Durão Barroso, depois do encontro de líderes, em Bruxelas.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG