Eleições

Ligou 670 vezes mas não obteve declaração para votar

Ligou 670 vezes mas não obteve declaração para votar

Sem qualquer contacto da Unidade de Saúde Pública desde que testou positivo, jovem eleitora não conseguiu inscrever-se para voto em casa.

Estas vão ser as "primeiras eleições" em que Ana Rita Governo, 31 anos, não vai poder votar. Está em isolamento, com covid-19 confirmado desde o passado dia 8, mas o contacto que aguardava por parte do delegado de saúde - que seria feito nas 48 horas seguintes - ainda não aconteceu.

"Liguei 670 vezes [na passada quinta-feira, último dia para obter declaração válida para votar] para a Unidade de Saúde Pública do Estuário do Tejo, sem sucesso", relatou a eleitora, que guardou o registo do número de telefonemas que realizou para comprovar os esforços efetuados.

Para poder inscrever-se no voto em casa, teria de apresentar uma declaração de isolamento profilático emitida até dia 14. Tentou apresentar a baixa médica, mas não foi aceite pela Comissão Nacional de Eleições.

"Não vou conseguir votar, mas em duas semanas tinha de ter dado tempo para resolverem isto", lamentou.

A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo esclareceu que o Gabinete Regional de Intervenção para a Supressão da COVID-19 em Lisboa e Vale do Tejo tem 40 contratados a iniciar funções esta semana e que o Departamento de Saúde Pública tem "mais de 200 militares (afetos à sede e Unidades de Saúde Pública dos vários Agrupamentos de Centros de Saúde), além de mais de 200 médicos internos e cerca de 80 profissionais cedidos por municípios" que desenvolvem " todos os esforços para realizar o maior número de inquéritos possível".

O Ministério da Administração Interna esclareceu, por sua vez, que a lei que permite o voto confinado não pode ser alterada e que "12.906 eleitores inscreveram-se para votar nesta modalidade".

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG