Covid-19

Região de Lisboa com média de 85% dos novos casos na última semana

Região de Lisboa com média de 85% dos novos casos na última semana

A ministra da Saúde, Marta Temido, afirmou este sábado que a região de Lisboa e Vale do Tejo teve durante a última semana uma média de mais de 85% dos novos casos no país.

A taxa de letalidade global da covid-19 em Portugal é agora de 4,3% e, acima dos 70 anos, é de 17%, assinalou a ministra da Saúde.

"De acordo com os dados mais recentes, a média do RT, ou seja, a média de transmissão da doença para outros ao longo do tempo, foi de 1,02%" entre 23 e 27 de maio. A nível regional, no norte o RT é de 0,93, no Centro é de 0,98 e em Lisboa e Vale do Tejo é de 1,5", referiu Marta Temido.

Sobre a região de Lisboa e Vale do Tejo, a ministra afirmou na generalidade há uma tendência decrescente em todo o país com exceção da Área Metropolitana Lisboa, onde se verifica um "crescimento de novos casos, com destaque para os concelhos de Amadora, Lisboa, Loures, Odivelas e Sintra". "Desde meados de maio que o número de novos casos nesta zona se mantém alto e nos últimos oito dias representou em média mais de 85 por cento dos novos casos no país", apontou.

"Se estiverem com sintomas, por favor não vão trabalhar"

"É essencial tomar medidas específicas, tendo em conta as características de novos casos identificados nesta área. A estratégia envolverá ao longo dos próximos dias o reforço do rastreio da infeção nas atividades em que se tem verificado maior incidência, por exemplo em áreas ligadas a construção civil ou abastecimento; da testagem de todas as pessoas em vigilância, a determinação do confinamento obrigatório dessas pessoas e a identificação de locais alternativos para o confinamento domiciliário quando as condições de habitabilidade não são suficientes", explicou a ministra, que acredita que "a estratégia irá permitir reduzir o número de contágio".

E deixou um apelo: "Se estiverem com sintomas, se estiverem com doentes, por favor não vão trabalhar", pediu, prometendo que irão ser encontradas alternativas para que a ausência ao trabalho seja devidamente compensada.

"Não passa pela cabeça de ninguém dizer que determinado grupo é culpado"

Questionada sobre o número de infetados no setor da construção, Marta Temido respondeu que "ao longo da pandemia temos tido focos de doença e preocupação, que agora estão em alguns grupos de atividade laboral". "Falamos dos mais velhos, depois de um conjunto de grupos vulneráveis, de pessoas institucionalizadas em residências para idosos e agora de grupos de trabalho. Mas não passa pela cabeça de ninguém dizer que determinado setor profissional é culpado pela disseminação da doença. Há um conjunto de aspetos associados com a organização do trabalho", acrescentou Marta Temido.

Ainda não se sabe qual é o universo do setor da construção que está infetado, mas haverá nos próximos dias um "esforço muito significativo de testagem nestas áreas". A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, avançou com um número provisório de pelo menos 140 casos na construção civil. No entanto, lembrou que a testagem vai continuar e que na próxima semana os números deverão aproximar-se mais da realidade.

"Precisamos de falar com as pessoas, já não vale a pena decretar mais medidas"

"Estão previstas algumas reuniões que decorrerão amanhã e na segunda-feira com agentes de diversos níveis de responsabilidade para coordenar uma atuação pedagógica para adequada higiene pessoal, adequada higienização dos espaços e medidas de distanciamento social. O objetivo é trabalhar no terreno. É necessária intervenção na rua, a solução passa por cada um dos indivíduos. Precisamos de falar com as pessoas, já não vale a pena decretar mais medidas", disse a ministra da Saúde.

Sobre a situação no Hospital Beatriz Ângelo em Loures, Marta Temido disse que está a estabilizar, mas revelou que nove das dez camas de cuidados intensivos estão ocupadas. Há um total de 58 camas destacadas para doentes infetados. A ministra garantiu ainda que os outros hospitais da região "estão preparados para apoiar se for necessário".

Sobre os casos de infeção em bairros sociais, a ministra ressalva que as autoridades de saúde estão a avaliar se as máscaras e equipamentos de proteção chegam à população.

Graça Freitas diz que é aconselhável conviver

Questionada sobre a utilização das esplanadas, a diretora-geral da Saúde sublinhou que as pessoas podem estar nesses locais e permanecer na rua, desde que cumpram as regras. Graça Freitas diz que é aconselhável conviver, mas sempre com distância social, usando máscara, higienizando as mãos e sem partilhar objetos, como copos e garrafas. "Não podemos ir à esplanada como no verão passado", alertou, pois só assim se conseguem quebrar as cadeias de transmissão e fazer com que a vida social e económica possa ser retomada em segurança.

"Estamos a preparar alternativas domiciliárias para grupos específicos da população. O que estamos a considerar é uma ação conjunta das autoridades para em Lisboa e Vale do Tejo as estruturas sejam direcionadas para a população-alvo, como alternativa à habitação que não reúne condições", voltou a frisar Marta Temido.

Sobre o material que não cumpre os requisitos definidos pelas autoridades de Saúde, a ministra salientou que têm sido identificadas "situações em que os equipamentos não cumprem as regras e o que se tem feito é retirar esse produtos, que são devolvidos".

É preciso "bom senso" nos cafés para ver o futebol

Questionada sobre a lista da Grécia que exclui Portugal dos países cujos turistas já podem visitar o país a partir de 15 de junho, a ministra respondeu que não compete ao Governo português opinar sobre essa matéria.

Sobre o regresso do futebol na próxima quarta-feira, Marta Temido referiu que não estão previstas medidas adicionais para evitar ajuntamentos em cafés e restaurantes, mas "é importante sublinhar que sendo as competições transmitidas em canal fechado, é preciso ter alguns cuidados" e o Governo confia no bom senso das pessoas e no cumprimento estrito das regras por parte de adeptos e dos proprietários de cafés e restaurantes.

Decorreu este sábado a habitual conferência de imprensa relativa à atualização diária da situação da pandemia de covid-19 em Portugal, com a presença da ministra da Saúde, Marta Temido, e da diretora-geral da DGS, Graça Freitas.

Segundo o boletim epidemiológico deste sábado, Portugal regista mais 13 mortes, num total de 1396, e mais 257 infetados, num total de 32.203.

No total, Portugal já registou 32203 casos de infeção (dos quais, 19186 já recuperaram) e 1396 óbitos associados ao novo coronavírus. Com uma subida total de 257 casos confirmados no país, a região de Lisboa e vale do Tejo vê o número de infeções aumentar em 231 casos (89,9% dos novos casos foram nesta região). O Norte teve mais 14 casos, o Centro 11 e o Algarve mais um caso positivo.