Cuidados

Luvas e máscaras na reciclagem deixam resíduos de "quarentena"

Luvas e máscaras na reciclagem deixam resíduos de "quarentena"

Há cada vez mais material de proteção nos ecopontos, mas tudo deve ser guardado nos sacos do lixo comum.

Cada vez há mais luvas e máscaras de proteção a serem colocadas nos ecopontos, contrariando as indicações de que devem ser colocadas no lixo comum, num saco bem atado e, de preferência, acomodado num segundo saco. Perante este fenómeno, na Lipor, que trata o lixo da maioria dos concelhos do Grande Porto, toda a reciclagem é posta de "quarentena", no mínimo, cerca de 72 horas, mal chega às instalações.

Em tempo de pandemia, o tema da gestão do lixo ganha ainda mais importância. A prevenção do contágio passa, também, pelo tratamento dos resíduos de pessoas infetadas pela Covid-19. Para isso, são necessárias regras às quais é preciso obedecer.

No entanto, e apesar dos avisos sobre como acondicionar os resíduos de pessoas que estão a ser tratadas em casa e de que se deve depositar todas as luvas e máscaras no lixo comum, os trabalhadores do Centro de Triagem da Lipor, em Baguim do Monte, Gondomar, têm-se deparado com um cenário diferente.

"Há umas semanas, começaram a aparecer máscaras e luvas juntamente com o fluxo das embalagens. E em algumas situações surgem em muita quantidade", revela Abílio Almeida, chefe de divisão de operações da empresa.

Os caixotes junto aos supermercados ou noutros locais onde, por norma, as pessoas se protegem antes de entrar, contribuem para a situação. Isto porque, justifica o chefe de operações, "a primeira coisa que as pessoas fazem quando saem daqueles espaços é deitar a máscara e a luva fora para não contaminar o carro". Aqueles resíduos são colocados posteriormente no ecoponto amarelo. Algo que não deveria acontecer.

Material é "rejeitado"

"Estes materiais devem ser tratados como lixo normal, depositados dentro de um saco bem atado e, de preferência, acomodado num segundo saco", acrescenta Abílio Almeida.

Quando algum trabalhador, no momento da triagem, vê uma luva ou uma máscara, a indicação é para deixar seguir esse material para que seja "rejeitado".

"Direciona-se esse material de proteção para o circuito do lixo normal", realça, alertando para a inquietação que a situação provoca nos trabalhadores.

Para aumentar a segurança de todos, os resíduos que chegam ao Centro de Triagem ficam num "período de quarentena" até serem processados. "Tivemos de preparar-nos e criar vários pontos de descarga para dar um tempo de permanência aos resíduos", explicou Abílio Almeida, revelando que "são sempre entre três e quatro dias".

"Algumas situações nós compreendemos. São atos irrefletidos. Se alguém que for levar o lixo a um ecoponto estiver de luvas e acabar por tocar no equipamento, a reação é colocar lá as luvas também", admite, pedindo uma maior atenção às pessoas nestes casos.

Limpeza urbana

A secretária de Estado do Ambiente, Inês dos Santos Costa, recordando a importância da limpeza urbana, apela à solidariedade para com os trabalhadores que todos os dias garantem a recolha dos resíduos e que, agora mais do que nunca, também devem ser merecedores da atenção de todos.

A governante insiste e pede que ninguém deite as máscaras, as luvas ou os lenços para reciclagem no ecoponto. O seu lugar é nos contentores de lixo comum.

Pessoas infetadas
Todos os resíduos produzidos pelos doentes e por quem lhes prestar assistência devem ser colocados em sacos do lixo, resistentes e descartáveis, e nunca totalmente cheios.

Acomodar o lixo
Os sacos fechados devem ser colocados dentro de um segundo saco, devidamente fechado. Devem ser depositados no contentor do lixo comum.

No contentor
Em altura alguma o saco deve ser deixado no chão. Os resíduos devem ser sempre colocados dentro do contentor. Se estiver cheio, coloque no contentor mais próximo ou espere que fique disponível.

Proteção individual
Todas as máscaras, luvas e lenços de papel devem ser colocados e fechados em sacos de lixo comum. Nunca deposite os materiais de proteção individual e descartáveis no contentor amarelo.

Outras Notícias