O Jogo ao Vivo

Ensino

Maioria dos professores usa equipamento próprio para conseguir dar aulas online

Maioria dos professores usa equipamento próprio para conseguir dar aulas online

Apenas 5% dos professores receberam equipamento necessário para dar aulas a partir de casa, segundo um questionário da Fenprof que revela que 95% dos docentes usa o seu próprio equipamento e passou a ter despesas acrescidas.

A Federação Nacional de Professores (Fenprof) concluiu que "valeram os professores para que os alunos voltassem às aulas", a partir do inquérito divulgado esta segunda-feira, ao qual responderam mais de quatro mil docentes.

Para a Fenprof, o ensino à distância - que foi retomado há uma semana - está a funcionar graças aos docentes, "uma vez que, dez meses depois das promessas do primeiro-ministro, as escolas continuam sem recursos para uma resposta que, sendo de emergência, é fundamental quando o ensino presencial, por razões excecionais, tem de ser suspenso".

Segundo o inquérito, 95% dos professores estão a trabalhar em casa com o seu equipamento e a maioria teve de comprar um computador, uma vez que em 81% das casas há, no mínimo, duas pessoas em teletrabalho simultâneo.

Também 95% dos docentes disseram ter despesas acrescidas, não incluindo a compra de computador, mas sim o uso da internet, telemóvel e outros recursos indispensáveis ao trabalho remoto.

"Os professores deverão ser ressarcidos das despesas que fizeram e continuam a fazer com o teletrabalho, incluindo a compra de computador e outras inerentes à atividade profissional conforme estabelece o Código de Trabalho nos seus artigos 166.º e 168.º", defende a federação sindical.

PUB

Apenas 4% dos docentes estão a trabalhar nas escolas e oito em cada dez professores decidiu fazer formação específica, recorrendo na maior parte das vezes a formações que encontrou online.

"Só 20% afirma ter frequentado formação da iniciativa da escola ou do Ministério da Educação, mas, em relação a esta última, não chegam a 0,2% os que afirmam ter havido", sublinha a Fenprof em comunicado.

Ainda sobre a falta de apoio a docentes com filhos menores de 12 anos, a federação recorda que este é um grupo profissional envelhecido e por isso 78% dos professores já não têm filhos desse grupo etário.

No entanto, entre os que têm filhos pequenos, nove em cada dez admite ter dificuldades na gestão entre as aulas e o acompanhamento dos filhos.

"Os professores que se encontram em teletrabalho e têm filhos menores de 12 anos deverão poder recorrer às creches e escolas de acolhimento, caso necessitem, e os que estão em atividade presencial deverão beneficiar dos apoios prestados aos demais trabalhadores", defende a Fenprof.

Outra das exigências reiteradas é a vacinação imediata dos docentes que se encontram em atividade presencial. Para os restantes professores, a Fenprof entende que devem ser vacinados contra a covid-19 antes do regresso às escolas, "de acordo com recomendações internacionais, designadamente da UNESCO e da Internacional de Educação".

Participaram no inquérito mais de quatro mil docentes desde professores da educação pré-escolar, passando pelo ensino básico até ao secundário.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG