Covid-19

Mais de 800 enfermeiros disponíveis para reforçar linha SNS24

Mais de 800 enfermeiros disponíveis para reforçar linha SNS24

Mais de 800 enfermeiros responderam ao apelo da Ordem dos Enfermeiros (OE) para reforçar o atendimento da linha SNS24 face à pandemia da Covid-19.

"Na sequência do apelo da OE, em articulação com o Ministério da Saúde e com o operador privado que gere a linha SNS24, mais de 800 enfermeiros disponibilizaram-se para reforçar a linha de apoio aos cidadãos para fazer face à epidemia do Covid-19", referiu a Ordem em comunicado.

Destes 800 enfermeiros, foram já enviadas várias listagens, num total de 600 nomes de profissionais, para a tutela e para a operadora Altice.

"Da parte da Ordem, foi cumprido o que foi solicitado, neste processo de grande colaboração próxima com todas as entidades competentes, e ao qual os enfermeiros, mais uma vez, deram uma resposta inequívoca, com o seu espírito de missão que a Ordem sublinha e enaltece", afirma a OE.

No entanto, adverte, para que "todos aqueles que estão disponíveis para reforçar a linha o possam fazer efetivamente, é necessário que a tutela aprove essas contratações".

A Ordem dos Enfermeiros explica que este é "um processo de cooperação entre todas as entidades", cabendo à OE divulgar o apelo entre os enfermeiros, recolher os dados e remetê-los às entidades competentes.

A contratação é da responsabilidade da tutela, em articulação com o operador privado que gere a linha de apoio, sublinha.

Na passada sexta-feira, a secretária de Estado Adjunta e da Saúde, Jamila Madeira, anunciou que a Linha SNS24 (808 24 24 24) passou a contar desde esse dia com mais 112 enfermeiros e com capacidade para atender 1200 chamadas em simultâneo.

Jamila Madeira acrescentou na altura que estava a ser trabalhado um aumento para 1500 chamadas em simultâneo.

O Governo declarou na sexta-feira o estado de alerta no país, colocando os meios de proteção civil e as forças e serviços de segurança em prontidão.

Entre várias medidas para conter a pandemia, o Governo suspendeu as atividades letivas presenciais em todas as escolas e impôs restrições em estabelecimentos comerciais e transportes.

Os governos regionais da Madeira e dos Açores decidiram impor um período de quarentena a todos os passageiros que aterrarem nos arquipélagos, enquanto o Governo da República desaconselhou as deslocações às ilhas.

Já tinham sido tomadas outras medidas em Portugal para conter a pandemia, como a suspensão das ligações aéreas com a Itália, o país da Europa mais afetado.

A nível global, o coronavírus responsável pela pandemia da Covid-19 infetou cerca de 170 mil pessoas, das quais 6.500 morreram.

Das pessoas infetadas em todo o mundo, mais de 75 mil recuperaram da doença.

O surto começou na China, em dezembro, e espalhou-se por mais de 140 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG