Inquérito

Mais de metade dos portugueses sofrem de obesidade

Mais de metade dos portugueses sofrem de obesidade

Mais de metade da população tem peso a mais e só 27% fazem exercício todos os dias. Maioria das crianças consome menos fruta e vegetais do que devia.

Mais de metade da população portuguesa (5,9 milhões de pessoas) é obesa ou está em risco de o ser. A prevalência é exponencialmente maior entre os idosos, já que oito em cada dez sofrem de obesidade ou são pré-obesos. A prática de atividade física programada, ainda que por lazer, decresce com o passar do anos. Os lusitanos são pouco ativos: apenas 27% fazem uma hora de exercício moderado ou meia hora com intensidade, todos os dias.

No entanto, 41,8% da população garantem que praticam exercício físico, embora boa parte sem regularidade diária. As mulheres são mais sedentárias do que os homens e, entre os grupos etários, as crianças até aos nove anos mostram-se mais ativas: 61% dos menores fazem uma atividade física desportiva com regularidade. A natação está no topo da lista entre as crianças. Dos 59% dos adolescentes que se confessam ativos ou moderadamente ativos, grande parte pratica futebol. Os adultos e os idosos preferem a caminhada. Ou seja, à medida que a idade avança, a intensidade do exercício físico torna-se menor.

O retrato é traçado pelo Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física, realizado entre 2015 e 2016 sob a coordenação da Universidade do Porto e cujos resultados serão apresentados hoje e amanhã em sessões públicas na Invicta e em Lisboa. Há 35 anos que ninguém olhava para os hábitos de alimentação e de atividade física dos residentes, pois o primeiro e único inquérito foi desenvolvido em 1980. A equipa de investigação - que envolveu as universidades do Porto, de Lisboa e de Oslo (Noruega), o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge e a empresa Silicolife - questionou e averiguou os hábitos de 6553 utentes do Serviço Nacional de Saúde, desde os três meses aos 84 anos de idade.

A alimentação diária é desequilibrada. Os portugueses consomem mais carne, leite e açúcar e menos produtos hortícolas, leguminosas e frutas do que deveriam. "Um em cada dois portugueses não consome a quantidade de fruta e produtos hortícolas recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS). A inadequação é mais elevada nas crianças e nos adolescentes", pode ler-se no estudo, a que o JN teve acesso, dando conta de que 69% das crianças e 66% dos adolescentes comem menos de 400 gramas de fruta e de hortícolas por dia. Em particular, os adolescentes deixam-se seduzir por refrigerantes, bolos e snacks doces e salgados.

Refrigerantes todos os dias

Carla Lopes, professora da Faculdade de Medicina do Porto, especifica que o consumo de açúcar de adição é de 15% da população. Entre os adolescentes, a percentagem duplica para os 31%, muito acima da recomendação da OMS (de 10%). Cerca de 1,5 milhões de portugueses bebem, pelo menos, um refrigerante ou néctar por dia e 41% têm entre dez e 17 anos. Os pais permitem esse consumo em filhos ainda mais novos. O inquérito revela que 7% das crianças com menos de nove anos bebem mais de 220 gramas de refrigerantes e de néctares por dia.

Além de seis em cada dez portugueses serem obesos ou pré-obesos, 80% dos idosos e 50% da população adulta estão em risco de obesidade abdominal que, por si só, é um fator de risco para a doença cardiovascular.

Leia a nossa Edição Impressa ou tenha acesso a todo o conteúdo no seu computador, tablet ou smartphone assinando a versão digital aqui

Outras Notícias