Distinção

Malária e emprego por turnos ganham prémios Pfizer

Malária e emprego por turnos ganham prémios Pfizer

O desenvolvimento de uma potencial vacina contra a malária, o papel do cérebro no funcionamento do relógio biológico e a ligação sobre o papel do sistema imunitário na memória de curto prazo sãos as três investigações vencedoras da edição de 2020 dos Prémios Pfizer.

A pesquisa para desenvolver uma vacina contra a malária, da equipa liderada por Miguel Prudência, do Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes (iMM), venceu a edição deste ano dos prémios da farmacêutica Pfizer, em parceria com a Sociedade das Ciências Médicas de Lisboa, na categoria de Investigação Clínica.

Os prémios, que distinguem ainda o trabalho de mais duas equipas, são entregues esta quarta-feira à tarde numa cerimónia que conta com a participação do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor.

De acordo com a organização, a vacina para a malária que está a ser desenvolvida pela equipa do iMM, denominada PbVac, conseguiu "uma redução muito significativa" na infeção hepática, o primeiro estágio da infeção por malária em humanos, no total de 24 voluntários saudáveis.

Trabalho noturno

Na categoria de Investigação Básica, um dos projetos é desenvolvido por Henrique Veiga-Fernandes da Fundação Champalimaud. Os cientistas estudam a função das células inatas linfoides de tipo 3 (ILC3) para perceber de que forma é que as pessoas que fazem turnos noturnos, ou mudam com frequência de fuso horário, têm uma tendência acrescida para o excesso de peso e sofrem mais de inflamações intestinais.

O outro prémio vai para o trabalho liderado por Julie Ribot, também do iMM, que estuda a ligação entre o sistema imunitário e o sistema nervoso central e o seu impacto na memória de curto prazo. Os investigadores pretendem saber de que forma o sistema imunitário pode influenciar o processo de aprendizagem e memória, quais são as células envolvidas neste processo e como atuam.

PUB

Os prémios foram criados em 1956 e, desde então, foram atribuídos a 214 trabalhos desenvolvidos por 700 cientistas. O prémio deste ano tem um valor total de 50 mil euros.

Outras Notícias