Igualdade

Manual que omite escravatura leva SOS Racismo a apresentar queixa

Manual que omite escravatura leva SOS Racismo a apresentar queixa

A associação SOS Racismo considera "inadmissível" que um livro de apoio ao estudo dirigido a crianças procure passar uma visão errónea de um pedaço da história. "Como é que se pode dizer que foi estabelecida uma relação amigável e pacífica se houve escravatura?", pergunta Nuno Silva, da SOS Racismo. O organismo vai apresentar queixa formal.

O excerto em causa "está a branquear factos e a alinhar por uma visão lusotropicalista deste período criada durante o Estado Novo", explica Nuno Silva. O organismo vai preparar uma queixa para apresentar à Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial.

"Não se pode admitir que a história seja contada com esta omissão da violência exercida junto desses povos", declara. Parece que se quer fazer perdurar a ideia que tivemos uma relação simpática com estes povos, que fomos diferentes dos outros, explica.

Igualmente grave é a referência a "raça negra". "A ciência já ultrapassou há muito essa ideia. Não existe biologia da raça. A raça não existe", sublinha. "Podemos entender isto como a reprodução de uma perspetiva racista, o que é muito grave nos tempos que correm", defende.

O assunto ganha relevância ainda maior por dizer respeito à educação de crianças. A associação SOS Racismo exorta o Ministério da Educação a pronunciar-se sobre este problema. "As escolas não podem estar a veicular esta visão da história".

Em causa está um livro de apoio à prova de aferição de História e Geografia para o quinto ano que menciona "relações amigáveis e pacíficas" com os povos encontrados, "raça negra" e "povos pouco desenvolvidos", para explicar o que foi a expansão ultramarina. A Porto Editora reconhece que há incorreções no excerto em causa e contactou os autores para que se faça uma reformulação.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG