O Jogo ao Vivo

Greve dos motoristas

Marcelo avisa: "A reação da sociedade é muito negativa"

Marcelo avisa: "A reação da sociedade é muito negativa"

O Presidente da República apelou, indiretamente, aos sindicatos de motoristas de mercadorias que desconvoquem a greve da próxima segunda-feira que ameaça parar o país em plenas férias.

Uma greve deve ser proporcional aos fins que quer atingir, alertou.

Na tarde desta terça-feira, Marcelo Rebelo de Sousa avisou os motoristas que a sociedade portuguesa pode não estar disponível para sofrer o sacrifício a que a paralisação obrigará, pelo que se voltará contra os grevistas. "Se de repente há, na sociedade, um sentimento, uma reação de se sentir refém da luta, deixa de se identificar com a luta. E aqueles que prosseguem fins legítimos e justos, passam a ter contra si, não o patronato e o Estado, mas a generalidade dos portugueses", alertou.

Deixando claro que a greve é um direito previsto na Constituição e na lei, o chefe de Estado considera também que os meios de luta devem ser proporcionais aos fins que se pretende obter. "Para ser eficaz", disse, o direito à greve "deve utilizar os meios mais adequados" e proporcionais. "Não basta que fins sejam legítimos: que os meios não venham a prejudicar os fins", acrescentou.

Há muito que Marcelo Rebelo de Sousa chama a atenção para questões laborais dos motoristas, como os limites de idade ou o trabalho aos fins de semana. "É sempre uma pena quando, havendo boas razões a defender, essas razões são comprometidas por causa do excesso de meios utilizado".

A saída para o impasse criado entre patrões e motoristas, sugere, deve ser encontrada através da negociação. "Quem promove lutas laborais deve procurar, em cada momento, o melhor meio para conseguir o objetivo. E o melhor meio, até se esgotar, é o do diálogo, da mediação, de tentativa de convergência de pontos de vista. Sobretudo se se perceber que, a não seguir esse caminho, a reação da sociedade é muito negativa", somou.