O Jogo ao Vivo

Aviação

Marcelo diz que salvar a TAP é o "melhor", mas com exigência

Marcelo diz que salvar a TAP é o "melhor", mas com exigência

O presidente da República (PR), Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu ontem que salvar a TAP é a melhor solução conhecida, até ao momento, para a companhia aérea; mas que se deve ser "muito exigente na estratégia de recuperação da TAP". O PR falava aos alunos da Universidade de Verão do PSD e lembrou que a companhia "custa muito dinheiro aos portugueses" pelo que devem estar muito atentos e ser "muito exigentes" com a gestão da pasta da TAP, liderada pelo ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos.

"As respostas dependem do momento histórico. A questão é: quais são as alternativas? Há uma alternativa melhor?", questionou de volta o presidente da República à questão colocada por um dos jovens sociais-democratas no evento do PSD que decorre em Castelo de Vide, Portalegre.
Na falta de uma alternativa melhor, "tem que se fazer bem feito aquilo que se está a fazer", reforçou Marcelo. "Estamos convencidos de que não há alternativa porque, se houvesse uma alternativa melhor para os portugueses e para Portugal, devia preferir-se a alternativa", concretizou. Recordando que antes da pandemia quase foi possível fechar um acordo com uma grande companhia que ajudaria a TAP, Marcelo voltou a frisar que é importante que a recuperação da companhia portuguesa seja bem feita, sob prejuízo de, no futuro, se perder possíveis parcerias frutíferas para uma recuperação que se quer bem sucedida.

Compaixão com o governo

PUB

Questionado por um dos alunos sobre a "compaixão" e "benevolência" que tem sido mostrado ao longo dos mandatos com o Governo, Marcelo remeteu para as condições adversas que o país tem ultrapassado e para os seus objetivos de campanha: "pacificação na sociedade portuguesa, estabilização e credibilização interna e externa", disse. Em resposta ao jovem social-democrata, que descreveu a atuação do presidente da República nesta matéria como uma "estratégia saturada", Marcelo sublinhou que não cabe ao presidente ser porta-voz de um partido em específico, muito menos do qual é oriundo.
A conversa entre os alunos e Marcelo decorreu à distância durante cerca de 1.30 horas e abordou diversos temas, desde a demissão de Marta Temido à fuga de cérebros. É a 18.ª edição deste evento que não se realizava há dois anos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG