Presidenciais

Marcelo diz que terá com outro primeiro-ministro a mesma relação que tem com Costa

Marcelo diz que terá com outro primeiro-ministro a mesma relação que tem com Costa

O Presidente da República e recandidato ao cargo, Marcelo Rebelo de Sousa, afirma que terá com qualquer outro primeiro-ministro a mesma relação que tem com António Costa e considera que esta coabitação foi uma escolha dos portugueses.

Marcelo Rebelo de Sousa assume estas posições numa entrevista à Antena 1, divulgada esta quinta-feira, em que apela à participação nas eleições presidenciais de dia 24, defendendo que "é mais importante votar em pandemia do que é sem pandemia".

Questionado sobre a sua "fácil relação" com o atual primeiro-ministro e secretário-geral do PS, António Costa, o chefe de Estado e candidato apoiado por PSD e CDS-PP refere que não gosta de se auto elogiar, mas que esse relacionamento decorre da sua maneira de ser e da sua visão do papel constitucional do Presidente da República.

"Se for eleito, há eleições parlamentares a meio do mandato presidencial, e elas podem dar um Governo da mesma área ou de outra área com outro primeiro-ministro, e com qualquer primeiro-ministro o relacionamento será como aquele que tenho com este primeiro-ministro, porque é a minha visão dos poderes do Presidente e é a minha maneira de ser", acrescenta.

Interrogado se não teme que a sua área política "não lhe perdoe esta coabitação", o antigo presidente do PSD responde: "Mas a coabitação foi uma escolha dos portugueses. Os portugueses escolheram um Presidente de direita e, por duas vezes, criaram condições para maiorias absolutas de esquerda".

Nesta entrevista, a propósito de um possível aumento acentuado da abstenção, Marcelo Rebelo de Sousa defende que "as pessoas têm de perceber mesmo a importância do seu voto em pandemia" e que "é mais importante votar em pandemia do que é sem pandemia".

PUB

"As pessoas podem não perceber isso, com o medo, com o receio, com o confinamento, com tudo isso. Têm de perceber que é tão importante para a sua vida, mudou tanto a sua vida, vai mudar tanto a sua vida com a crise económica e social que já aí está e vem aí, que é nesses momentos que se tem de fazer um esforço suplementar em termos de participação política, e o esforço é ir votar", reforça.

As eleições presidenciais, que se realizam em plena epidemia de covid-19 em Portugal, estão marcadas para 24 de janeiro.

Concorrem às eleições sete candidatos, Marisa Matias (apoiada pelo Bloco de Esquerda), Marcelo Rebelo de Sousa (PSD e ​​​​​​CDS/PP) Tiago Mayan Gonçalves (Iniciativa Liberal), André Ventura (Chega), Vitorino Silva, mais conhecido por Tino de Rans, João Ferreira (PCP e PEV) e a militante do PS Ana Gomes (PAN e Livre).

Outras Notícias