Política

Marcelo diz que um ex-presidente não perde a cidadania e exerce-a como entender

Marcelo diz que um ex-presidente não perde a cidadania e exerce-a como entender

O presidente da República disse, este sábado, que um ex-chefe de Estado não perde a cidadania e exerce-a como entender, e reiterou que terá "distanciamento na intervenção política" quando deixar o cargo depois de já ter "cansado tanto".

"Não comento antigos Presidentes da República ou futuros Presidentes da República. Não comento, mas quero dizer o que já disse também muitas vezes, que um antigo Presidente da República não perde a sua cidadania e portanto tem direito a exercer a cidadania como entende", disse Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, depois de ter sido questionado sobre a entrevista à CNN Portugal do ex-chefe de Estado Aníbal Cavaco Silva.

O Presidente reiterou que, quando deixar o cargo, vai manter o "distanciamento da intervenção política", por considerar que deve "dar espaço àqueles que em cada momento estão a intervir politicamente".

PUB

"Tenho a sensação - mas isso é a minha leitura - que depois fica obsessivo, tudo aquilo que se disser - mas é também por isso que não escrevo memórias - passa a ser uma autojustificação ou uma afirmação pessoal ou uma comparação constante. E acho que às tantas os portugueses se cansam e cansam-se legitimamente", acrescentou, à margem do Concurso Nacional de Leitura, na Costa da Caparica, Almada, no distrito de Setúbal.

"Mas essa é a minha interpretação, há pessoas que conseguem fazer isso sem cansar. Eu não vou ter esse mérito, já cansei tanto que não quero cansar mais", disse ainda.

Segundo garantiu, quando deixar o cargo, não voltará aos comentários na televisão, não será colunista na imprensa ou cronista nas rádios e não voltará a dar aulas.

Além disso, espera "não ter de ser tão intenso" como já foi no passado.

"Mas às vezes tem de se ser intenso, não esperava ver o estado de emergência [por causa da pandemia], não espera L dissolução [do parlamento, em 2021], tive ser mais intenso na intervenção", afirmou.

Uma das coisas que disse ponderar fazer quando deixar de ser Presidente é percorrer escolas, ler mais e "estimular mais a leitura".

Marcelo congratulou a iniciativa do Concurso Nacional de Leitura, organizado pelo Plano Nacional de leitura, que disse estar "cada vez melhor de ano para ano" e a "puxar por aquilo que é fundamental para que um país mude", porque "é pela leitura que muito começa".

O Presidente apelou aos portugueses para lerem no verão, um período em que a maioria tem férias, destacando que quem não pode comprar livros tem uma rede de bibliotecas à disposição em todo o país, que voltaram a funcionar em pleno depois de em boa parte do ano de 2020 terem estado encerradas por causa da pandemia de covid-19.

Lembrando as estatísticas que dizem que 61% dos portugueses não leu um livro em 2020, Marcelo pediu para o país ler mais livros, para "fazer esse esforço".

"Não é por acaso que noutros países e na Europa estão a frente de nós na leitura e estão à frente nas outras coisas também", afirmou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG