O Jogo ao Vivo

Covid-19

Marcelo fala em "fechar de página", mas admite restrições se for necessário

Marcelo fala em "fechar de página", mas admite restrições se for necessário

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, fez uma declaração no final da reunião no Infarmed, onde marcaram presença políticos e especialistas.

"Não é possível separar a saúde individual da saúde pública", sublinhou o chefe de Estado, apelando à responsabilidade individual. "É um apelo que não é novo para os portugueses"

Marcelo alertou que "há duas situações em que esse apelo tem de estar bem presente": o início do ano letivo e o final do ano e a época de festas do Natal e do Ano Novo.

O Presidente da República reforçou ainda que "as regras têm de ser desde logo mais fortes" nos transportes coletivos e instituições com população de risco.

Questionado pelos jornalistas, Marcelo disse que, "desde logo, foi dito que, se houver circunstâncias que obriguem à imposição de restrições, as restrições serão impostas. Vai haver uma monitorização permanente da situação. Se de repente houver agravamentos que exijam também em grau diverso tomada de medidas, serão tomadas. Isso foi dito, para que ficasse claro", realçou.

Marcelo apontou como fatores a ter em conta o eventual "aparecimento de novas variantes" do vírus SARS-CoV-2, a situação dos "infetados que tiveram uma dose de vacina", se "chega não chega", e das pessoas com "idade mais elevada e que podem ter problemas de anticorpos", assim como os casos de "patologias que exigem desde já uma terceira dose".

PUB

"É um fechar de uma página, mas não a conclusão de um processo", continuou Marcelo.

O Presidente assinalou que em países do centro e do leste da "os números agravaram-se" e que em Portugal "continua a haver doentes internados, em cuidados intensivos e continua a haver mortos" com covid-19. "Portanto, é um processo que não terminou, não há facilitismo", reforçou, enquadrando o atual momento como "o adaptar, ajustar os comportamentos e os procedimentos a uma nova fase, mas sem facilitismo".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG