Covid-19

Marcelo: "Não guardamos números por conveniência de ter cá a Champions"

Marcelo: "Não guardamos números por conveniência de ter cá a Champions"

O Presidente da República esteve esta quarta-feira reunido com especialistas no Infarmed em mais uma sessão sobre a evolução da pandemia em Portugal. Marcelo Rebelo de Sousa reafirmou a necessidade de "medidas específicas" para a região de Lisboa e Vale do Tejo e disse que os números da covid-19 não estão a ser ocultados.

Foi uma reunião de quatro horas. Presidente da República, primeiro-ministro, presidente da Assembleia da República e demais responsáveis partidários estiveram reunidos, mais uma vez, na sede do Infarmed para avaliar a situação epidemiológica da covid-19 em Portugal. A região de Lisboa e Vale do Tejo com um número crescente de infetados -- dos 367 novos casos desta quarta-feira, 302 são nesta região -- foi o tema central deste encontro.

Aos jornalistas, o Presidente da República negou que haja um "descontrolo da pandemia": apesar do aumento dos casos com covid-19 na região de Lisboa e Vale do Tejo, os números têm-se mantido estáveis, entre os 300 e os 400 novos casos, a evolução das vítimas mortais tem sido positiva e as unidades hospitalares do Serviço Nacional de Saúde (SNS) não tem sido pressionadas, segundo Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República realçou a importância de se tomar "medidas específicas" para esta área geográfica, já que é necessário saber quais as causas desta subida. "É uma pequena parte da região de Lisboa", disse Marcelo Rebelo de Sousa, para esclarecer que nem toda a região assiste a uma subida do número de infetados.

O chefe de Estado afirma que será necessário "trabalhar no terreno"e fazer "inquéritos sanitários" para se ter um pleno conhecimento da realidade. Uma das hipóteses em cima da mesa é perceber se os infetados já existiam há mais tempo ou se o aumento do número de testes nas últimas semanas é explicativo desta subida. "Estamos a falar de uma população que trabalhou sempre e não confinou muito", disse o presidente da República.

Ladeado por António Costa e Ferro Rodrigues, Marcelo Rebelo de Sousa esclareceu que os números estão a ser comunicados com "transparência" e "verdade". "Não guardamos números por conveniência de ter cá a Champions", referiu. O Presidente da República disse que ainda que há "muitas perguntas sem respostas", quando questionado sobre o papel dos supertransmissores (pessoas com maior capacidade de passar o vírus). Marcelo revelou que se está a trabalhar numa aplicação para ter melhor conhecimento desta realidade.

Outras Notícias