O Jogo ao Vivo

Impostos

Máscaras só são dedutíveis no IRS com fatura à parte

Máscaras só são dedutíveis no IRS com fatura à parte

Produtos de proteção adquiridos em lojas de roupa estão excluídos

Só as máscaras de proteção respiratória compradas no supermercado, mas com fatura à parte, é que podem ser submetidas para reembolso de IRS. As compradas nas farmácias não precisam de outro comprovativo além da fatura habitual.

Quanto às máscaras compradas em supermercados, caso tenham sido adquiridas ao mesmo tempo que outras compras e integradas num comprovativo global emitido por uma entidade sem Código de Atividade Económica (CAE) associado à saúde, não podem integrar as despesas de saúde anuais em sede fiscal, que estão em fase de validação até 25 de fevereiro.

"Só podem ser submetidas as que foram adquiridas em espaços que comercializam medicamentos não sujeitos a receita médica ou, no caso dos supermercados com estes CAEs, que tenham sido compradas à parte", esclareceu a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT).

Segundo esta entidade, só as máscaras compradas junto de emitentes enquadrados em CAEs como os de saúde humana, de comércio a retalho de produtos farmacêuticos, de comércio a retalho de produtos médicos e ortopédicos e de comércio a retalho de material ótico, beneficiam da dedução nas despesas.

Fora de qualquer hipótese de reembolso estão as que foram adquiridas junto de ateliês de costura e "lojas de roupa e confeção" por "não integrarem, previsivelmente, o setor da saúde", refere a mesma fonte oficial.

Assim, as máscaras comunitárias - que foram proibidas em França, na Alemanha e Áustria no início desta semana - compradas em grandes lojas deverão estar excluídas desta dedução por razões semelhantes.
Fonte oficial da AT sublinha que a dedução em sede de IRS só é aplicável a "máscaras de proteção respiratória certificadas".

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG