Exclusivo

Medicamentos com canábis sem interesse para farmacêuticas

Medicamentos com canábis sem interesse para farmacêuticas

A lei que permite o uso da canábis medicinal entrou ontem em vigor, mais de meio ano após a sua aprovação pela Assembleia da República, com um cenário que a quase unanimidade das forças partidárias, que aprovaram a legislação, estivesse à espera: não há farmacêuticas interessadas em comercializar medicamentos, preparados ou substâncias à base da planta, em Portugal.

À exceção de um medicamento, com autorização de comercialização desde 2012 mas sem vendas em farmácias e sem comparticipação do Serviço Nacional de Saúde (SNS), o Infarmed adiantou, ao JN, que não recebeu, até agora, nenhum pedido de autorização de introdução no mercado (AIM).

Segundo a Autoridade do Medicamento, não foram iniciados processos de AIM nem após a entrada em vigor da lei base, que passou a permitir o uso da canábis no verão do ano passado, nem quando ficou concluída a regulamentação da legislação, no final de 2018.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG