O Jogo ao Vivo

Setúbal

Médico Artur Carvalho ainda não se pronunciou sobre bebé sem rosto

Médico Artur Carvalho ainda não se pronunciou sobre bebé sem rosto

O médico que fez as ecografias à mãe do bebé Rodrigo, Artur Carvalho, enviou respostas ao Conselho Disciplinar do Sul da Ordem dos Médicos sobre quatro dos seis processos em que é visado. Mas não se pronunciou sobre aquele que diz respeito às malformações graves que não foram assinaladas na criança de Setúbal.

Em declarações ao JN, Carlos Pereira Alves, presidente do Conselho Disciplinar do Sul, adiantou que o obstetra apenas se pronunciou por escrito, há cerca de uma semana, sobre os processos anteriores que estavam pendentes na Ordem dos Médicos.

Há ainda dois processos mais recentes no conselho disciplinar, um deles é o que diz respeito ao bebé de Setúbal que nasceu sem olhos, nariz e parte do crânio, no início de outubro, e um outro que foi aberto na mesma altura, não se sabe sobre que caso em concreto.

O responsável revelou ainda que espera que sejam tomadas algumas decisões sobre estes processos na reunião que o conselho tem agendado para a primeira terça-feira de dezembro, dia 3. "Estamos a trabalhar nesse sentido", disse.

Recorde-se que o médico fez as ecografias gestacionais à mãe do bebé na clínica Ecosado, que entretanto fechou portas, e não assinalou as malformações. O Ministério Público tem um inquérito aberto ao médico e à clínica em questão.

Entretanto, os deputados da comissão parlamentar da Saúde aprovaram audições à ministra da Saúde, Marta Temido, ao bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, e à presidente da Entidade Reguladora da Saúde (ERS), Maria Cristina Andrade, por requerimento do PAN.

O bastonário e presidente da ERS serão os primeiros a serem ouvidos. A audição a Marta Temido será posterior e mais abrangente - não só sobre o caso do bebé que nasceu com malformações, mas também sobre a clínica onde foram feitas as ecografias à grávida que não tinha convenção com o Serviço Nacional de Saúde (SNS), mas recebia utentes destinados a uma outra clínica com a qual o Estado tinha convenção, suspeitando-se de fraude neste processo.