O Jogo ao Vivo

Inquérito

Não se pode ignorar o que foi dito, diz MAI sobre acusações da Venezuela à TAP

Não se pode ignorar o que foi dito, diz MAI sobre acusações da Venezuela à TAP

O ministro da Administração Interna disse, esta sexta-feira, não haver indícios dos factos imputados à companhia aérea TAP pelo governo venezuelano, justificando o inquérito que entretanto ordenou com o facto de não se poder "ignorar" o que foi dito.

"Neste momento, quando eu determino um inquérito é porque não há nenhuma indicação de qualquer indício, até ao momento, de qualquer fundamento para o que foi dito", afirmou Eduardo Cabrita aos jornalistas, no Algarve, considerando, contudo, que não se pode "ignorar aquilo que é dito".

O Governo português ordenou uma averiguação para apurar os factos imputados à companhia aérea TAP pelo Governo venezuelano, que a acusa de ter violado "padrões internacionais" de segurança num voo de Lisboa para Caracas, no qual terá alegadamente permitido o transporte de explosivos e ocultado a identidade do líder da oposição, Juan Guaidó.

As autoridades venezuelanas acusam ainda o embaixador português em Caracas, Carlos Sousa Amaro, de interferir nos assuntos internos da Venezuela, ao interceder pelo tio de Juan Guaidó, Juan Marquez, que foi preso na terça-feira, quando aterrou no mesmo voo da TAP, acusado de transportar explosivos.

O ministro da Administração Interna, que falava aos jornalistas à margem da inauguração do posto territorial da GNR em Almancil, em Loulé, no distrito de Faro, sublinhou que o inquérito é, também, para "garantir que Portugal é um país seguro" e que qualquer dúvida, mesmo na segurança aeroportuária "deve ser imediatamente esclarecida".

"O que está aqui em causa é a imagem de segurança de Portugal e essa é que não pode ser posta em causa", frisou, adiantando que o Governo português ainda não recebeu qualquer pedido de esclarecimentos do governo venezuelano.

Segundo o Governo venezuelano, Juan Marquez, que acompanhava o sobrinho Juan Guaidó, transportou "lanternas de bolso táticas" que escondiam "substâncias químicas explosivas no compartimento da bateria".

As autoridades venezuelanas consideram que a TAP violou normas de segurança internacionais, permitindo explosivos, e também ocultou a identidade do autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, na lista de passageiros, embora a segurança aeroportuária não seja da responsabilidade das companhias transportadoras.