Partidos

Miguel Morgado junta-se à corrida para disputar liderança do PSD

Miguel Morgado junta-se à corrida para disputar liderança do PSD

Miguel Morgado, antigo assessor político de Passos Coelho, afirmou, esta quinta-feira, que, se forem convocadas eleições diretas no PSD, irá ponderar "muito a sério a possibilidade de ser candidato", uma decisão independente de uma candidatura de Luís Montenegro.

"Eu respeitarei seja qual for a decisão dos conselheiros nacionais: se houver eleições, eu tenho responsabilidades especiais, não as declinarei, e isso significa levar muito a sério a possibilidade de me candidatar, mas ainda não tomei essa decisão", afirmou o deputado, em declarações aos jornalistas, à entrada para a Convenção Europa e Liberdade, na qual é orador esta tarde.

Questionado se essa decisão será influenciada por o antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro estar também na corrida, Miguel Morgado respondeu: "Não exclui, nem inclui, eu farei a minha própria ponderação à luz do modo como as coisas forem evoluindo".

Miguel Morgado recordou que, nas anteriores diretas, em janeiro de 2018, defendeu que pessoas com maiores responsabilidades - onde se inclui - deveriam ter disputado as eleições com Rui Rio e Santana Lopes para proporcionar "uma escolha mais alargada" aos militantes do PSD.

"Existe uma direção em funções neste momento, de quem tenho divergido profundamente, mas que tem um mandato para cumprir. Não vai haver eleições até ao Conselho Nacional decidir algo em contrário. Eu respeitarei a decisão do Conselho Nacional seja ela qual for, a de convocar eleições ou não", assegurou, alertando que o Conselho Nacional "não é um órgão banal do PSD, é o parlamento do partido".

"Os conselheiros nacionais é que decidirão e eu respeito, não só por razão formalista, mas porque deve reproduzir o sentimento dos militantes do PSD", sublinhou.

Apesar de manter a convicção de que a direção deveria levar o seu mandato até ao fim, Morgado reconhece que o Conselho Nacional "tem idêntica legitimidade à que goza Rui Rio como presidente do partido" para tomar uma decisão diferente.

Luís Montenegro vai falar na sexta-feira, pelas 16 horas, no CCB, onde pedirá a Rio para convocar eleições diretas, confirmou o próprio ao JN, que apurou que o ex-líder parlamentar do PSD está disponível para disputar a presidência do PSD.

Os críticos de Rui Rio já têm as assinaturas suficientes para obrigar à convocação de um Conselho Nacional extraordinário com vista à destituição do atual líder.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG