Programa

Mil milhões de euros para financiar voluntários na Europa

Mil milhões de euros para financiar voluntários na Europa

O programa Corpo Europeu de Solidariedade (CES) é apresentado esta sexta-feira em Viana do Castelo. A iniciativa foi renovada com uma dotação financeira de 1,009 mil milhões de euros para apoiar 270 mil jovens entre os 18 e os 35 anos.

Daniele Cianflone, 25 anos, licenciado em Filosofia, natural da região de Calabria (Itália) encheu uma sala na Escola Secundária de Santa Maria Maior, em Viana do Castelo, com o relato da sua experiência como voluntário no âmbito do Corpo Europeu de Solidariedade (CES). À sua roda, quarenta estudantes, renderam-se ao seu discurso entusiasmado sobre as virtudes do voluntariado, como forma de buscar caminhos de vida. A audiência aplaudiu, riu e questionou surpreendida com a possibilidade de, através de um programa financiado, fazer as malas e rumar a um país da Europa, à sua escolha, para ser voluntário durante um ano.

O CES foi renovado com uma dotação financeira de 1,009 mil milhões de euros para apoiar 270 mil jovens entre os 18 e os 35 anos e é apresentado esta sextra-feira em Viana.

"Destes 40 alunos, ninguém sabia que este voluntariado existe", disse Daniele ao JN, no final da animada sessão na escola de Santa Maria Maior, onde recomendou aos estudantes portugueses que "saiam da sua zona de conforto" e, aproveitem o CES, para noutro país "adquirirem conhecimento e abrirem as suas mentalidades". E quem sabe encontrarem respostas. "Depois da universidade eu não sabia o que fazer em termos de trabalho e qual a minha paixão. Soube do voluntariado e pensei que podia ser uma boa oportunidade para saber mais sobre as minhas possibilidades e sobre o que gosto", contou, referindo que foi como voluntário dois meses para a Eslováquia e está desde janeiro na Associação Juvenil de Deão (AJD) em Viana. "Descobri que o que mais gosto é da interação com as pessoas e acho que o meu trabalho pode ser alguma coisa relacionada com recursos humanos", afirmou.

À procura de respostas chegou, há oito meses, a Viana vinda da Normandia a jovem francesa Ines Abdallah de 21 anos. Formada na área da organização de eventos, decidiu fazer uma pausa nos estudos e viajar integrada no CES. Faz voluntariado na AJD. "Ser voluntário é importante para ajudar e para saber o que fazer e o que não fazer na vida. Eu quero continuar a ser voluntária em França e fazer um Erasmus", comentou.

Jerusa Lopes, coordena o programa CES na AJD, que em oito anos recebeu 19 voluntários de toda a Europa. "Uma das suas grandes motivações é perceber o que gostam e o que não gostam de fazer. Isto ajuda-os a escolher o percurso profissional. Vêm à procura de encontrar o caminho e uma grande maioria chega ao fim e consegue", concluiu a técnica, acrescentando que alguns até acabam por escolher ficar em Viana do Castelo.

Viktor Drewes de Colónia (Alemanha), com 30 anos e formado em Psicologia do Desporto, apaixonou-se por Viana do Castelo, depois de em 2019 ter sido voluntário no Centro de Alto Rendimento de Surf, no âmbito do CES. "Gostei tanto que quis ficar. Por causa da Natureza, do mar. Viver perto do mar para um alemão é um sonho. E Viana ainda tem montanha. Dá para fazer desportos outdoor, como eu gosto", resumiu.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG