Pandemia

Ministra apela à utilização da app StayAway Covid

Ministra apela à utilização da app StayAway Covid

A ministra da Saúde garante que a app StayAway Covid é segura e, apesar da adesão ser voluntária, Marta Temido apela à sua "efetiva utilização".

"Eu estou em processo [de instalação]. Creio que amanhã estará concluído", afirmou a ministra da Saúde, Marta Temido, na apresentação da aplicação móvel (app) Stayaway Covid, esta terça-feira, no Instituto Superior de Engenharia do Porto.

A app que permite rastrear contactos de infeção do novo coronavírus é de adesão voluntária mas Marta Temido quis deixar um apelo aos portugueses: "Apelo a que a app seja descarregada" e "num exercício de responsabilidade e solidariedade seja efetiva a sua utilização".

"Não desistam", sublinhou a governante com a tutela da Saúde, face à eventual demora na conclusão do processo de instalação, garantindo que a app é segura no que respeita à privacidade dos utilizadores. É "confidencial, voluntária e segura e, por isso, na qual se pode confiar", frisou.

Marta Temido saudou ainda "a capacidade científica do país" e considerou a app Stayaway Covid "um instrumento que será muito útil em tempos de regresso às aulas e regresso à normalidade possível".

"A identificação de contactos é uma intervenção central em saúde pública quando se enfrenta uma doença como esta, caracterizada pelo seu elevado contágio", referiu.

Apesar das vantagens, a governante assumiu que a aplicação tem limitações, como qualquer ferramenta, nomeadamente o facto de nem todos terem tecnologia compatível, nem todos descarregarem a aplicação e nem todos andarem com o telemóvel por todos os locais por onde passam. Por isso, a calibração e aperfeiçoamento desta é "essencial".

A "StayAway Covid" é uma aplicação voluntária que, através da proximidade física entre "smartphones'", permite rastrear de forma rápida e anónima as redes de contágio por covid-19.

O sistema alerta quem, nas 48 horas anteriores ao diagnóstico, contactou com proximidade (a menos de dois metros e por mais de 15 minutos) com alguém infetado com covid-19 nos últimos 14 dias.

Para tal, é preciso que a aplicação esteja ativada no telemóvel. Em caso de diagnóstico positivo, o doente recebe um código enviado pelo médico "para introduzir no telemóvel". Será esse código que levará a aplicação a notificar os contactos de proximidade.

A aplicação foi desenvolvida pelo Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC).

Outras Notícias