Caso SEF

Ministro da Administração Interna admite erros, mas recusa demitir-se

Ministro da Administração Interna admite erros, mas recusa demitir-se

O ministro da Administração Interna admitiu esta terça-feira, numa audição sobre a morte do cidadão ucraniano pelo SEF, que ele e o Governo podem errar, mas não há dúvidas quanto a valores fundamentais dos direitos humanos.

Foi já nos minutos finais da audição, que se prolongou por duas horas e meia na comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, que Eduardo Cabrita foi lembrado que não respondera a várias perguntas dos deputados, incluindo se admitia ou ia demitir-se do cargo.

"Fui inequívoco na resposta", respondeu a Luís Marques Guedes, presidente da comissão, que enumerou as perguntas sem resposta.

Momentos antes, tinha dito assumido um compromisso que só seria possível se continuasse no Governo: trabalhar "com o parlamento", "prestando contas nas audições regimentais" noutras "específicas, como esta".

"Estou aqui hoje e estarei sempre que assim o entendam", reforçou.

Depois, sem relacionar a frase com o caso que o levou esta segunda-feira à tarde a responder na comissão -- a morte do cidadão ucraniano Ihor Homeniuk, nas instalações do SEF, no aeroporto de Lisboa, em março -- admitiu erros, sem dizer quais.

PUB

"O Governo certamente poderá cometer erros. E o ministro, no plano pessoal, ainda mais. Sou o primeiro a entender que claramente que posso errar, [mas] não temos dúvidas quanto aos valores fundamentais", afirmou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG