O Jogo ao Vivo

educação

Ministro diz que cortes na Educação são "inevitáveis"

Ministro diz que cortes na Educação são "inevitáveis"

O ministro da Educação afirmou, na terça-feira, que os cortes na Educação são "inevitáveis" e que há que estar preparado para "uma grande redução da despesa", mas remeteu o anúncio para o primeiro-ministro e o titular das Finanças.

"Nós vamos ter cortes na Educação, como vamos ter em todas as áreas. Isso é inevitável", admitiu o ministro da Educação, Nuno Crato, em declarações aos jornalistas no final de um jantar na Universidade de Verão do PSD, que decorre em Castelo de Vide até domingo.

Adiantando que o primeiro-ministro e o ministro das Finanças "vão falar ao país sobre esses problemas", Nuno Crato escusou-se a revelar qual será o orçamento do Ministério da Educação.

O ministro da Educação reconheceu, contudo, que há que estar preparado para "uma grande redução da despesa", porque o País enfrenta uma "situação económica muito difícil".

"Isso vai ser público dentro em breve. Isso vai ser conhecido. Eu não quero adiantar", acrescentou.

O Conselho de Ministros aprovou na terça-feira o Documento de Estratégia Orçamental, que enumera as "grandes linhas orientadoras do processo de consolidação orçamental a médio prazo da economia portuguesa".

O documento, que será apresentado em detalhe na quarta-feira em conferência de imprensa, descreve "as principais opções que permitirão alcançar uma meta próxima do equilíbrio orçamental em 2015".

Segundo um comunicado do Conselho de Ministros, disponível no portal do Governo, "o esforço a realizar, do lado da despesa e do lado da receita, será na proporção de 2/3 e 1/3, respectivamente", sendo que "estas opções têm um carácter transversal e sectorial e enquadram as medidas que serão concretizadas no Orçamento do Estado a apresentar já para 2012".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG