Política

Montenegro deseja que Medina tenha "metade da capacidade de concretização" de Moedas

Montenegro deseja que Medina tenha "metade da capacidade de concretização" de Moedas

O presidente do PSD manifestou esta segunda-feira o desejo de que o ministro das Finanças, Fernando Medina, tenha daqui a um ano "metade da capacidade de realização" dos objetivos traçados da que atribuiu ao presidente da Câmara de Lisboa.

"Gostava eu que o senhor ministro das Finanças [Fernando Medina] pudesse dizer, daqui a um ano, metade da capacidade de realização que o Carlos Moedas aqui acabou de dizer nos exemplos que deu da Câmara Municipal de Lisboa", disse.

Luís Montenegro intervinha numa iniciativa organizada pelo PSD/Lisboa, na zona do Príncipe Real, intitulada "Um Ano de Concretizações Autárquicas", que assinalou um ano após a tomada de posse de Carlos Moedas como presidente da autarquia da capital, depois de vencer o socialista Fernando Medina, agora ministro das Finanças.

PUB

O líder do PSD salientou que o Orçamento do Estado para 2023 foi apresentado "há uma semana por uma personalidade bem conhecida da Câmara Municipal de Lisboa", sendo "uma altura interessante" para "comparar aquilo que é apresentar intenções, propostas, programas e o que é executar".

"É que ao contrário do que vem acontecendo há sete anos com os Orçamentos do Estado, e que prevejo vá acontecer também naquele que foi apresentado há precisamente oito dias [para 2023], uma coisa é apresentar ideias, propostas, apresentar power points, objetivos, outra coisa é concretizar", afirmou

Num discurso em que elogiou a governação de Carlos Moedas até ao momento, Montenegro sustentou que Lisboa é um bom exemplo e "está em boas mãos".

O líder social-democrata disse ainda que "este vai ser o maior ciclo de desenvolvimento que Lisboa assistiu desde que há poder local democrático em Portugal, liderado por um social-democrata, apoiado por outros partidos".

"Tenho orgulho e honra em poder dizer que em Lisboa nós somos capazes de mostrar aos portugueses que se nos vierem a confiar a governação do país, nós realizamos mais, melhor, nós levamos mais qualidade de vida à comunidade", vincou.

Montenegro vincou que o PSD é um partido que "traz, soma, agrega, constrói" e "não deixa tudo na mesma".

"Podemos não fazer tudo bem, mas há uma certeza que nos de Lisboa dizemos e damos ao país: nós transformamos, mesmo quando erramos, nós tentamos fazer bem. Pior do que não fazer, pior do que não transformar, é deixar tudo na mesma e para isso já temos o Governo, já temos poder público que baste. Aproveitemos a oportunidade das autarquias locais, façamos que a vida das pessoas melhore", sublinhou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG