António Costa

Mudança do PSD sobre TSU "não passava pela cabeça de ninguém"

Mudança do PSD sobre TSU "não passava pela cabeça de ninguém"

O primeiro-ministro admitiu que "não passava pela cabeça de ninguém" a mudança do quadro parlamentar na questão da Taxa Social Única, sublinhando que não é ao PSD que os portugueses ficarão a dever o aumento do salário mínimo.

Na conferência de imprensa no final do Conselho de Ministros que aprovou a redução do Pagamento Especial por Conta para as pequenas e médias empresas, António Costa foi questionado sobre a posição do PSD, que votou na quarta-feira ao lado do PCP, BE e PEV na rejeição da diminuição da Taxa Social Única (TSU) em 1,25 pontos percentuais para os empregadores.

"Convém recordar que o próprio PSD, em dezembro, quando estávamos a concluir as negociações, fez declarações públicas não só a defender a medida, como aliás a dizer que ela devia ser alargada não só às empresas, mas abrangendo também as IPSS (instituições particulares de solidariedade social) e as misericórdias", salientou, acrescentando que "não passava pela cabeça de ninguém que o quadro parlamentar que sempre existiu tivesse sido alterado desta forma".

O primeiro-ministro disse não lhe competir "fazer comentários sobre essa mudança", uma vez que "todos os portugueses a perceberam e cada um a ajuíza por si".

"Quanto ao PSD, os portugueses não lhe ficarão a dever nem o aumento do salário mínimo nacional nem as empresas ficarão a dever a redução dos seus encargos fiscais", atirou ainda.

O chefe do Governo lembrou ainda que "a medida que foi ontem [quarta-feira] inviabilizada na Assembleia da República era uma medida que foi sistematicamente viabilizada na Assembleia da República ao longo de vários anos".

PUB

Para António Costa, aquilo que compete ao Governo "não é entreter o espaço mediático, mas é agir concretamente para melhorar a vida das pessoas e a vida das empresas", destacando que graças à atuação do executivo está em vigor um novo salário mínimo nacional e "também graças ao Governo e à maioria parlamentar haverá esta redução dos encargos fiscais" das empresas.

António Costa tinha garantido, na mesma conferência de imprensa, que está assegurada a aprovação no parlamento da redução progressiva do Pagamento Especial por Conta para as Pequenas e Médias Empresas, já que PCP, BE e Os Verdes apoiam a proposta de lei.

O Conselho de Ministros aprovou a redução progressiva do Pagamento Especial por Conta (PEC) para as Pequenas e Médias Empresas (PME), um dia depois do chumbo da redução da Taxa Social Única (TSU) no parlamento.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG