Covid-19

Mulher do ator Pedro Lima revoltada com requisição civil de casa em Odemira 

Mulher do ator Pedro Lima revoltada com requisição civil de casa em Odemira 

Anna Westerlund não se conforma com a requisição civil do Zmar Eco Experience, em Odemira, para alojar doentes com a Covid-19. Viúva do ator Pedro Lima não esconde revolta por ser "obrigada a ceder" a casa da família no eco-resort do litoral alentejano.

"Desde ontem que sinto que estou a viver numa DITADURA!! Temos uma casa no Zmar e o governo decidiu que a temos de disponibilizar para receber doentes covid de Odemira a maior parte deles trabalhadores nas estufas locais. Diz o primeiro ministro que eles têm direito a viver em condições dignas (obviamente, mas esse direito não começou ontem!)", começa por escrever Anna Westerlund.

A ceramista questiona-se sobre "há quanto tempo é que eles não vivem em cima uns dos outros enfiados em casas sabe-se lá em que condições", apontado responsabilidades aos "empresários que os contratam" e também ao Governo.

A mulher do falecido ator Pedro Lima sublinha que a falta de condições dos doentes com a covid-19 não é de agora. No entanto, "sou eu que sou OBRIGADA a ceder a minha casa para os receber", acrescenta.

Com uma imagem dela com Pedro, tirada exatamente no Zmar, Anna lembra ainda que o empreendimento "está já há muito tempo numa situação financeira difícil e agora que tinha um investidor decidido a dar ao Zmar a dignidade que merece, acontece isto".

Por isso, caso o Zmar tenha mesmo que fechar, deixando 200 pessoas sem emprego e proprietários "com casas na "terra de ninguém"", "gostava de saber quem é que primeiro-ministro vai requisitar nessa altura".

PUB

A concluir, Anna Westerlund alerta que "isto que está a acontecer com o Zmar e o que parece uma simples requisição civil para resolver o COVID naquela zona é o camuflar de uma descaracterização daquela região que se enche de estufas, da ganância económica que não pára para pensar nem olha a meios".

Recorde-se que foi anunciado esta quinta-feira pelo primeiro-ministro, António Costa, que as freguesias de São Teotónio e de Longueira/Almograve, no concelho de Odemira, distrito de Beja, ficariam em cerca sanitária devido à elevada incidência de casos de covid-19, sobretudo em trabalhadores do setor agrícola.

No diploma publicado em "Diário da República" e com efeitos imediatos, sobre o "reconhecimento antecipado da necessidade de declarar a situação de calamidade no município de Odemira", foi também decretada "a requisição temporária, por motivos de urgência e de interesse público e nacional, da totalidade dos imóveis e dos direitos a eles inerentes que compõem o empreendimento 'ZMar Eco Experience', localizado na freguesia de Longueira-Almograve".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG