IPMA

Noite de trovoada com mais de 13500 descargas elétricas em 12 horas

Noite de trovoada com mais de 13500 descargas elétricas em 12 horas

A trovoada registada na noite de segunda-feira e madrugada desta terça-feira em Portugal provocou mais de 13500 descargas elétricas, das quais mais de 2600 atingiram o solo.

No período de 12 horas, compreendido entre as 21 horas de segunda-feira e as 9 horas desta terça-feira, o número de descargas elétricas que atingiram o solo "foi superior a 2600", indicou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), revelando que o número total de descargas (somatório de descargas intranuvem, entre nuvens e nuvem solo) no território, registadas na rede nacional de descargas elétricas do IPMA, "ultrapassou as 13500".

A instabilidade associada a uma depressão em altitude, centrada a sudoeste de Lisboa e em movimento lento para nordeste, deu origem a forte atividade elétrica na zona centro e sul de Portugal continental, explicou o IPMA, em comunicado, adiantando que "este evento foi muito visível, não só por ter ocorrido durante a noite, mas também pela ocorrência de um elevado número de descargas elétricas intranuvem e entre nuvens".

A Proteção Civil registou até ao início da manhã 76 ocorrências, muitas relacionadas com a trovoada que se fez sentir durante a noite de segunda-feira e que provocou dezenas de ignições, sobretudo nos distritos de Castelo Branco, Santarém, Lisboa e Setúbal.

Em declarações à agência Lusa, fonte da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) disse que a região centro do país foi a mais afetada, com 16 ignições de incêndio registadas em Castelo Branco, indicando que se registaram ainda oito em Santarém, cinco em Lisboa e outras cinco em Setúbal.

"Estas ignições foram devido à trovoada que se fez sentir, e que foram fazendo dispersar os meios ao longo dos vários distritos, mas felizmente só há a registar danos materiais de floresta", disse à Lusa o comandante Carlos Pereira, da ANEPC.

Portugal continental tem 12 distritos sob aviso amarelo, o terceiro mais grave, por causa da trovoada: Bragança, Viseu, Évora, Guarda, Vila Real, Setúbal, Portalegre, Beja, Lisboa, Leiria, Santarém e Castelo Branco.

O aviso amarelo é emitido pelo IPMA sempre que existe uma situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG