Segurança Social

Novas pensões de velhice atingiram valor mais alto desde 2008

Novas pensões de velhice atingiram valor mais alto desde 2008

A Segurança Social atribuíu, em outubro, mais de dois milhões e 46 mil pensões de velhice, atingindo o valor mais alto desde 2008, o início da série estatística.

Segundo a síntese mensal elaborada pelo gabinete de estratégia e planeamento do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, o número de pensões de velhice subiu 0,4% em termos homólogos (face ao mesmo mês do ano anterior) e 0,2% face ao mês anterior, com as mulheres a representarem 52,9% do total de novas pensões de velhice e os homens 47,1%.

A 1 de outubro, entrou em vigor uma nova regra que veio permitir a reforma aos 60 anos de idade sem o corte de 14,7% pelo fator de sustentabilidade a quem, nessa idade, conte pelo menos 40 anosde contribuições. Mas manteve-se em vigor a penalização de 0,5% por cada mês de antecipação face à idade legal de reforma, que este ano é de 66 anos e cinco meses, ou face à idade pessoal da reforma.

De acordo com as estatísticas da Segurança Social, em outubro foram ainda contabilizadas 712.150 pensões de sobrevivência, mais 1681 face a setembro (0,2%) e mais 4246 pensões comparando com outubro de 2018, traduzindo um aumento de 0,6%. As mulheres detiveram a maioria das pensões de sobrevivência, correspondendo a 81,5% do total de processamentos.

Já o número de pensões de invalidez subiu 0,3% em relação ao mês anterior (mais 581 pensões) e 6,2% em termos homólogos (mais 10.885 pensões), tendo sido contabilizadas 185.163. Dessas, 47,7% foram atribuídas a mulheres e 52,3% a homens.

As estatísticas da Segurança Social revelam ainda que, em outubro, foram pagos 156.644 subsídios por doença, mais 6,8% do que em setembro (um aumento de 10 mil baixas), com 93.865 beneficiários do sexo feminino (59,9% do total) e 62.779 beneficiários do masculino (40,1% do total). Nas mulheres, o aumento face a setembro foi de 8,2% (mais 7.126 beneficiárias) e, nos homens, de 4,8% (mais 2. 874 beneficiários). Comparando com outubro de 2018, houve um acréscimo de 4,5% no total de subsídios de doença, com subida de 4,9% no sexo feminino e de 3,9% no sexo masculino.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG