Saúde

Novo dispositivo personaliza tratamento de Parkinson 

Novo dispositivo personaliza tratamento de Parkinson 

Hospital de S. João, no Porto, procedeu à primeira implantação do género em Portugal.

É mais um avanço para o tratamento da doença de Parkinson. Na terça-feira, pela primeira vez em Portugal, o Centro Hospitalar Universitário São João (CHUSJ), no Porto, implantou um dispositivo num doente com Parkinson que "regista as ondas cerebrais" associadas aos sintomas da doença e permite "dirigir o sítio para onde se quer a corrente", dando origem a um "tratamento individualizado", explicou Rui Vaz, neurocirurgião responsável pelo procedimento.

No próximo domingo assinala-se o Dia Mundial da Doença de Parkinson, uma condição que afeta cerca de 20 mil pessoas em Portugal.

A doença de Parkinson resulta da redução dos níveis de dopamina, uma substância que funciona como um mensageiro químico cerebral nos centros que comandam os movimentos. Os sintomas variam conforme o doente, mas muitos envolvem a capacidade de controlar os músculos e o movimento, destacando-se a lentidão de movimentos, rigidez muscular, tremor e alterações da postura.

A estimulação cerebral surgiu há cerca de duas décadas, mas agora, com este novo dispositivo, é possível adequar o tratamento à especificidade de cada pessoa, respondendo ao desafio de fornecer estimulação numa região muito pequena do cérebro em momentos específicos. "A doença varia ao longo do dia, mas no modo clássico mantemos uma estimulação constante. O objetivo é conseguir uma estimulação que varie conforme os sintomas e esta análise das ondas permite-nos avaliar essa variação ao longo do dia", especifica Rui Vaz.

Com esta inovação, os médicos conseguem "um diário eletrónico do que se passa, regulando melhor a medicação e estimulação cerebral para supressão das ondas Beta, associadas à doença, o que leva a uma melhoria dos sintomas" e a mais "qualidade de vida" a quem sofre de Parkinson, acrescenta o médico.

O uso deste dispositivo permite, assim, melhorias significativas na administração precisa de estimulação, na simplificação do procedimento cirúrgico e na recolha de dados para uma programação mais eficiente e informada.

PUB

O CHUSJ foi o terceiro hospital no mundo a implantar este dispositivo, a seguir ao Hospital Universitário de Würzburg, na Alemanha e ao Hospital Universitário Grenoble Alpes, em França.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG