Nacional

Novo ministro da Solidariedade "é um homem sério e trabalhador" afiança presidente da CNISS

Novo ministro da Solidariedade "é um homem sério e trabalhador" afiança presidente da CNISS

O Presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade Social elogiou este sábado, em Coimbra, a nomeação de Pedro Mota Soares, como ministro da Segurança Social e Solidariedade.

"Conheço-o muito bem. É um homem humilde, trabalhador, sério que procura documentar-se e os bons apoios" afirmou o padre Lino Maia ao JN, à margem do X Congresso Nacional da União das Misericórdias Portugueses, que termina este sábado.

O responsável mostra-se "confiante" no trabalho que o novo ministro poderá desenvolver, afirmando acreditar que "haverá uma habituação ao diálogo e à construção".

Sobre o Projecto de Emergência Social, que faz parte do programa do novo Governo, Lino Maia, admite que o documento foi "elaborado pela CNIS a pedido" e durante a pré-campanha eleitoral, mostrando-se orgulhoso da proposta ter sido aceite pelo PSD e "ter passado totalmente para o plano do Governo".

O responsável explicou ainda que este "Programa de Emergência Social" não irá "criar nada de novo, nenhuma organização nova", frisando que vão ser aproveitadas as instituições de base, de proximidade para "estarem atentas às situações mais gritantes para lhes responder com meios".

"É também uma questão de estar atento às várias oportunidades que há, mesmo em fundos comunitários para responder a essas necessidades" justificou.

Sobre as instituições de solidariedade e Misericórdias, o padre Lino Maia admitiu ser "irreversível" o processo de auto-financiamento, lembrando que a comparticipação do Estado "representa apenas 42% dos custos reais das instituições".

"O futuro não será o Estado financiar mais. Será de facto, as instituições criarem formas de auto-financiamento, e isso sem competir com o sector lucrativo". A ideia, sustenta "é promover a reactivação de economias e actividades abandonadas e de desenvolvimento local".

"Será um mecanismo que tem de ser percorrido e vai ser percorrido", assegurou.

Outras Notícias