Premium

Nunca houve tantos médicos estrangeiros a trabalhar no país

Nunca houve tantos médicos estrangeiros a trabalhar no país

Em 2019, eram 4192, a maioria espanhóis e brasileiros. No ano anterior, quase metade prestaram serviço no SNS.

De fronteiras escancaradas, o país nunca teve tantos médicos estrangeiros a prestar cuidados no setor público e privado. Em 2019, foram 4192, mais 8,8% do que no início do primeiro Governo de António Costa. Muitos terão vindo ocupar lugares que ficaram vazios pela fuga de especialistas portugueses para o estrangeiro. Mas não chegam para equilibrar a balança.

A entrada de médicos no país aumenta, com ligeiras oscilações, desde 2009, segundo dados enviados ao JN pela Ordem dos Médicos. Naquele ano, foram 3842 e o número foi crescendo até 2011, quando atingiu os 4044. De 2012 a 2014, baixou para valores próximos dos 3700; em 2015, saltou para os 3853 e, em 2016, para 3943. No ano seguinte, os médicos estrangeiros no país passaram a barreira dos quatro mil (4047), número que voltou a subir, em 2018, para os 4083.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG