Pandemia

O que já se sabe sobre a vacinação contra a covid-19 em Portugal

O que já se sabe sobre a vacinação contra a covid-19 em Portugal

A criação de uma comissão técnica, para definir os critérios em que a vacina contra a covid-19 será aplicada no país, e uma "task force" para operacionalizar este processo, são os primeiros passos dados pela Direção-Geral da Saúde para definir a estratégia nacional de vacinação. A ministra da Saúde, Marta Temido, avançou que o plano "será divulgado nos próximos dias".

A Comissão Técnica de Vacinação contra a covid-19 (CTVC) é composta por 11 especialistas, que "têm acompanhado a evolução dos conhecimentos sobre o vírus SARS CoV-2, sobre a clínica e a epidemiologia da covid-19 e sobre as vacinas contra a covid-19 em desenvolvimento ou sobre a vacinação em geral", lê-se no despacho da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Têm como missão dar parecer técnico sobre a(s) estratégia(s) a adotar, recomendar os grupos prioritários para a vacinação e pronunciar-se sobre as vacinas que forem sendo disponibilizadas no mercado nacional e internacional. Vão funcionar como um grupo consultivo desta entidade.

Sem se referir diretamente a este novo grupo, a ministra Marta Temido, explicou na conferencia de imprensa, que o plano de vacinação será revelado na próxima semana. A governante lembrou que existe uma comissão técnica nacional de vacinação, responsável pela introdução ou retirada de vacinas do Programa Nacional de Vacinação.

Marta Temido adiantou ainda que o transporte das vacinas será feito pelas farmacêuticas produtoras e que deverão ficar todas armazenadas no mesmo local, até à sua distribuição pelo país e Regiões Autónomas.

Manuel Carmo Gomes e Raquel Guiomar no grupo

PUB

Os peritos, que se reúnem esta quarta-feira pela segunda vez, também deverão propor e acompanhar o desenvolvimento de estudos sobre a vacinação e as vacinas contra a covid-19 utilizadas no país, avaliar a necessidade de formação e metodologia na sua aplicação, bem como aconselhar medidas de exceção à vacinação em circunstâncias que se justifiquem.

Entre os especialistas estão o epidemiologista Manuel Carmo Gomes, presença assídua nas reuniões do Infarmed, o imunologista Luís Graça, do Instituto Gulbenkian de Ciência, e a virologista Raquel Guiomar, responsável pelo Laboratório de Referência para o Vírus da Gripe e outros Vírus Respiratórios, do Instituto Nacional de Saúde Pública Doutor Ricardo Jorge (INSA).

A comissão vai ser coordenada pelo médico de medicina interna Válter Bruno Ribeiro Fonseca, diretor dos serviços do Departamento da Qualidade na Saúde, da DGS. O pediatra José Gonçalo Pereira Marques, do Hospital de Santa Maria, será o coordenador-adjunto.

Entre os restantes membros estão as farmacêuticas Diana da Silva Costa, Ema Paulino Pires e Maria de Fátima Ventura, a bióloga Teresa Alves Fernandes, a enfermeira Maria de Lurdes Silva, e a médica de medicina geral e familiar Luísa Maria Rocha Vaz.

Planeamento e logística

Paralelamente, a DGS criou uma "task force", liderada pelo ex-secretário de Estado da Saúde Francisco Ramos, que vai contar com a colaboração das Forças Armadas. "As Forças Armadas participam nesse processo de identificação de como deve ser o plano [de vacinação] e participarão depois na execução quando houver vacinas", afirmou o ministro da Defesa, Gomes Cravinho, citado pela agência Lusa.

A "task force" vai ter como missão a operacionalização de todo o processo. "Há uma comissão que vai decidir quem as recebe primeiro e que vacinas serão dadas", mas também vai ser preciso operacionalizar a logística do armazenamento, distribuição e administração, e também fazer a monitorização das pessoas que serão entretanto vacinadas. Será essa a missão desta equipa: garantir que todas estas áreas vão trabalhar de forma interligada, apurou o JN junto de fonte do processo.

A medida vai ao encontro do apelo feito pela comissária europeia, Ursula von der Leyen para os estados-membros comecem "a preparar a logística para o lançamento de centenas de milhões de doses de vacinas. "Estamos a falar de milhões de seringas, da cadeia de transporte refrigerado, de centros de vacinação, de formação de profissionais", disse.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG