Exclusivo

Pais preocupados com disparidade de aulas online

Pais preocupados com disparidade de aulas online

O ministério não regulou a duração da atividade remota e há alunos com sessões de 30 minutos e outros com blocos de 90 minutos. Os professores já se queixam e a Fenprof vai criar uma plataforma para receber denúncias de "irregularidades".

O Ministério da Educação (ME) não regulou a duração das aulas online, nem definiu tempos mínimos ou máximos. Cada agrupamento tem autonomia para decidir e a diversidade vai voltar a marcar o ensino à distância, que é retomado amanhã do Pré-Escolar ao 12.º . Há alunos com atividades síncronas de meia hora, outros com blocos de 90 minutos. Há quem tenha menos de metade do tempo presencial em sessões com os professores, outros que têm quase o horário presencial online.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG